segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Centenas de pessoas abraçaram a Casa da Música

Centenas de pessoas envolveram, este domingo, num longo abraço a Casa da Música, no Porto, em protesto contra o corte de 30% imposto pelo Governo que já levou à demissão em bloco do conselho de administração da instituição.
"A Casa é nossa" e "Vamos dar a mão, só falta um milhão" foram algumas das palavras de ordem que se ouviram depois de concluído o enlace humano bem alargado ao imponente edifício desenhado pelo arquiteto holandês Rem Koolhaas unto à rotunda da Boavista, no Porto, Portugal.
Os coordenadores do Bloco de Esquerda João Semedo e Catarina Martins, o candidato do PS à Câmara do Porto, Manuel Pizarro, o subdiretor do Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia, em Madrid, João Fernandes, e António Jorge Pacheco, diretor artístico da Casa da Música, foram algumas das personalidades que marcaram presença no protesto convocado por um grupo de cidadãos que já lançou, na Internet, a petição "Um abraço pela Casa da Música".


domingo, 30 de dezembro de 2012

Brasil adia para 2016 aplicação do Novo Acordo Ortográfico

O Governo brasileiro adiou nesta sexta-feira a aplicação obrigatória do novo acordo ortográfico em três anos, para 1 de Janeiro de 2016, de acordo com o decreto publicado no 'Diário Oficial da União'.

Até então, o decreto promulgado em 2008 previa a aplicação obrigatória das novas regras em Janeiro de 2013, já na terça-feira.
A iniciativa do adiamento surgiu após um pedido de parlamentares da Comissão de Educação do Senado, que ouviram, numa audiência pública, as críticas de destacados linguistas brasileiros às novas regras.

Como não havia tempo útil para a aprovação de um projecto parlamentar, a saída foi negociada com o Governo, disse à Lusa o senador Cyro Miranda no início do mês.

Desde Janeiro de 2009, quando começou oficialmente a adesão do Brasil ao acordo, o uso da nova grafia é opcional, e vai continuar a ser até 31 de Dezembro de 2015.
O adiamento, defendido por parlamentares e linguistas, está a gerar polémica entre educadores e alunos que já estão a adoptar as novas regras.
Para os especialistas, como o linguista e professor brasileiro Ernani Pimentel, o adiamento é um primeiro passo para a reforma do Novo Acordo que, na sua opinião, não simplifica suficientemente a língua portuguesa. In Correio da Manhã.

No Brasil o Acordo Ortográfico será obrigatório a partir de 2016

O Governo brasileiro adiou esta sexta-feira a aplicação obrigatória do novo acordo ortográfico por três anos, para 1 de Janeiro de 2016, de acordo com o decreto publicado no Diário Oficial da União.

Até então, o decreto promulgado em 2008 previa a aplicação obrigatória das novas regras em Janeiro de 2013, ou seja, na próxima terça-feira.

A iniciativa do adiamento surgiu após um pedido de parlamentares da Comissão de Educação do Senado, que ouviram, numa audiência pública, as críticas de destacados linguistas brasileiros às novas regras.
Como não havia tempo útil para a aprovação de um projecto parlamentar, a solução foi negociada com o Governo, disse à Lusa o senador Cyro Miranda no início do mês. Desde Janeiro de 2009, quando começou oficialmente a adesão do Brasil ao acordo, o uso da nova grafia é opcional, e vai continuar a ser até 31 de Dezembro de 2015.

Público.

sábado, 29 de dezembro de 2012

Paulo Rocha: o realizador que "viveu" cinema

É um cineasta maior, uma das referências incontornáveis de um cinema livre e inconformista gerado num país sem indústria, mas com uma força imagética em que muitas vezes não acreditamos.

Quando morre um grande cineasta – Paulo Rocha, esta manhã, aos 77 anos –, alguém que mudou a paisagem representativa de uma cinematografia como a nossa, o pior a fazer é perder muito tempo com dados biográficos: nasceu no Porto em 22 de Dezembro de 1935, abandonou os estudos de Direito para ir estudar cinema no IDHEC, em Paris, foi assistente estagiário do grande Jean Renoir em O Cabo de Guerra (1962) e assistente de Manoel de Oliveira sobretudo em Acto de Primavera (1963).

Ou seja, “viveu” cinema, desde a sua participação na fundação do Cine Clube Católico com Bénard da Costa ou Nuno Bragança até à sua estreia como realizador com Verdes Anos (1963), o filme que transformou tudo no cinema português: da forma de conceber o espaço urbano, integrando na estafada dicotomia cidade-campo uma nova e radical forma de exílio, até à direcção de actores – rostos marcantes de uma nova visualidade, como Isabel Ruth, ou a recuperação de uma irreconhecível teatralidade, como Paulo Renato –, passando pelas condições de produção e de escrita – um cinema “pobre”, actuante, urgente e poético. Verdes Anos não representa apenas o início do Cinema Novo, é o manifesto de uma forma revolucionária de olhar para nós e para as nossas atávicas contradições, com poucos meios, muita imaginação e com um lirismo pungente: cerca de 50 anos depois permanece vivo e perturbante, como um retrato de família de um país e de uma sociedade em ruptura e em carne viva.


Cinema: ‘Tabu' e ‘O Gebo e a Sombra’entre os melhores para ‘Le Monde’


Os filmes ‘Tabu’, de Miguel Gomes, e ‘O Gebo e a Sombra’, de Manoel de Oliveira, foram eleitos os melhores de 2012 pelo jornal francês ‘Le Monde’, que escolheu ainda ‘Cosmopolis’, de David Cronenberg, produzido por Paulo Branco.

"Num contexto de crise, o ano cinematográfico ficou marcado por filmes de uma vitalidade plural e mutante, como 'Tabu' e 'Holy Motors' [de Leos Carax], que dominam as escolhas dos críticos do ‘Le Monde'", explica o diário francês.

Os críticos de cinema do jornal elencam as suas escolhas individuais e em quase todos sobressai ‘Tabu', longa-metragem de Miguel Gomes que estreou em mais de 40 salas em França e conquistou grande atenção internacional ao longo de 2012.

O filme, uma trama amorosa rodada a preto e branco, passada entre a actualidade em Portugal e o passado numa África colonial, numa história sobre memória e a perda e a melancolia, é descrito pelo ‘Le Monde' como "uma homenagem à idade de ouro do cinema" e "ao império do cinema mudo".

Cinema: O passo de gigante de Miguel Gomes

A edição em DVD de 'Tabu', filme que tem estado a ser distinguido em importantes listas de balanços de 2012, junta como extras quatro curtas-metragens do realizador.

Com Tabu, Miguel Gomes (n. 1972) afirma-se como uma das vozes mais originais do atual cinema português. Desde logo porque propõe uma ideia de cinema que se distingue, pelo seu espírito de liberdade, independência e verdadeira criatividade, de tanto filme ortopédico, banal e sem personalidade própria que pelas nossas salas se passeia (e, nesse sentido, é também um sopro de ar fresco, uma pedrada no charco, enfim, ar puro no meio de tanta poluição visual e sonora). E também porque faz cinema com arte (e não um produto consumível e descartável). Posto isto, digamos que Tabu é uma obra ao mesmo tempo melancólica, espirituosa e poética. Dividido em duas partes, a primeira - intitulada "Paraíso Perdido" - tem como protagonistas três mulheres que moram no mesmo prédio em Lisboa: Pilar (excelente Teresa Madruga), uma ativista com bom coração que se preocupa com a saúde de Aurora (espantosa Laura Soveral), uma mulher idosa assombrada pela solidão (e que parece sofrer de depressão) e a sua empregada cabo-verdiana, Santa (Isabel Cardoso). Na segunda parte ("Paraíso"), assistimos, em jeito de grande flashback, à história de amor de Aurora, em Moçambique, nos tempos do colonialismo...
Nota: Em breve o IPC apresentareá este filme em Caracas.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Nadine Gordimer lê 'O Centauro' de José Saramago

Gravação encontra-se disponível para escuta no site do jornal britânico 'The Guardian'.

O Centauro, um conto da autoria de José Saramago, incluído originalmente no livro Objecto Quase (1978), foi o escolhido pela escritora sul-africana Nadine Gordimer para uma gravação da sua leitura, disponível para escuta no site do The Guardian, aqui.

A escritora, que foi agraciada com o Prémio Nobel da Literatura em 1991, considera que o conto de José Saramago é "uma fábula extraordinária", que fala de "uma criatura imaginária, algo que é maior e melhor e diferente de um homem".

Segundo comunicado da Fundação José Saramago, Nadine Gordimer e José Saramago "foram amigos, cruzaram-se em diversos continentes em conferências e apresentações de livros um do outro".

Esta série de contos lidos disponibilizados no site do The Guardian já integrou a leitura de Umberto Buti, de Giuseppe Pontiggia, por Zadie Smith, ou de A Árvore de Natal, de Charles Dickens, por Simon Callow.  In Diário de Notícias.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Sete jovens portugueses integram Orquestra Mundial


Sete jovens músicos portugueses vão integrar a Orquestra Mundial da Juventude que junta, no mesmo palco, artistas de mais de 50 países e que começa a digressão em Janeiro.

Os jovens desta orquestra serão orientados pelo maestro espanhol Josep Vicent na promoção de valores como a interculturalidade e solidariedade através da música.

A escolha dos músicos oriundos de 54 países foi feita através da gravação de vídeos, enviados para a Orquestra Mundial até meados de Novembro.

A digressão 2012/2013 da Orquestra Mundial vai começar em Janeiro e vai passar pela América do Norte, África e Europa.
 
 

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Guimarães2012: Problemas técnicos afetaram espetáculo de encerramento


Problemas técnicos e "falta de dinheiro" levaram a que o espetáculo do grupo La Fura Dels Baus que encerrou ontem a Capital Europeia da Cultura Guimarães 2012 tivesse menos 15 minutos do que previsto, o que "desiludiu" a população.

O diretor artístico do grupo catalão, Jurgen Muller, disse ainda à agência Lusa que o mau tempo que se fez sentir nos últimos dias em Guimarães chegou mesmo a por em causa a realização do evento.

Apesar do "desalento", a população realçou a "qualidade artística" dos espetáculos anteriores e a forma "maravilhosa" como decorreu todo ano em que Guimarães foi Capital Europeia da Cultura. In Diário de Notícias.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Manoel de Oliveira está internado com infecção bacteriana

O realizador Manoel de Oliveira, que completou 104 anos a 11 de Dezembro, foi hospitalizado na quinta-feira.

Ao PÚBLICO, a filha, Adelaide Trêpa, garantiu que “não é nada de muito grave”, porque a infecção que levou ao internamento já estará “dominada”. Não são conhecidos por enquanto mais pormenores, mas não é previsível que o realizador tenha alta antes do Natal. À Lusa, Adelaide Trêpa avançou mais tarde que a razão da hospitalização terá sido uma infecção bacteriana.

Este ano, o cineasta já havia estado internado uma semana em Julho no Hospital Eduardo Santos Silva, em Vila Nova de Gaia, devido a uma insuficiência pulmonar. O realizador sofre também de uma doença cardíaca crónica, tendo um pacemaker e dois stents.

 Oliveira é autor de mais de 30 longas-metragens, entre as quais Aniki Bobó (1942), Francisca (1981), Os Canibais (1988) ou o Princípio da Incerteza (2002). Apesar dos problemas de saúde, os projectos para novos filmes não cessam, existindo neste momento dois: O Velho do Restelo, inspirado em textos de Camões, Teixeira de Pascoaes e Cervantes, e a Igreja do Diabo, a partir dos contos de Machado de Assis. Ambos os projectos estão em fase de captação de investimento e têm argumento do próprio Oliveira.
 

Vhils: Artista de rua português expõe em Londres

Considerado um dos melhores exemplos da arte de rua dos últimos anos a nível internacional e depois de já ter chegado a várias partes do mundo, incluindo Xangai, Paris ou Rio de Janeiro, o artista português Vhils - pseudónimo de Alexandre Farto - tem atualmente 27 obras expostas em Londres, Inglaterra, naquela que é a sua segunda mostra individual na capital britânica.

As obras de Vhils, famoso pelos seus retratos escavados em vários tipos de materiais, de paredes exteriores a portas de madeira, poliestireno extrudido, metal ou estuque, estão em exposição na galeria Lazarides, que representa alguns dos artistas mais famosos de "street art", caso, por exemplo, do inglês Baksy.

Em declarações à Lusa, Ralph Taylor, diretor da galeria londrina, afirmou que Vhils é o "artista mais trabalhador" que conheceu, por ter alcançado mais do que outros apenas numa década.
Esta é a segunda exposição do português naquele espaço do centro de Londres, depois de ali se ter estreado em 2008, quando tinha apenas 22 anos e era, segundo Taylor, "um talento em bruto e muito entusiasmante".
 


Guimarães Capital Europeia da Cultura despede-se com 48 horas de festa


"Então ficamos..." é a mensagem do espetáculo que abre a programação de encerramento da Guimarães 2012, a que se seguirá a "Festa do não fim do mundo", numa sucessão de eventos ao longo de 48 horas.
La Fura Dels Baus e Mi Casa es tu Casa são dois regressos para este encerramento da Capital Europeia da Cultura (CEC) que começa hoje, pelas 20:00 horas e só termina no domingo com a Gala de Natal da RTP, pelas 20:00 horas.
Ainda antes de arrancar o espetáculo "Então ficamos..." no Multiusos de Guimarães, decorrerá uma cerimónia protocolar para a passagem de testemunho às capitais de 2013, neste caso Marseille-Provence (França) e Kosice (Eslováquia).
Depois vem o tempo do espetáculo, já esgotado, que marca o mote de Guimarães 2012 subir ao palco. Ao palco do Multiusos vão confluir dois anos de trabalho desenvolvido na comunidade vimaranense, apresentado por centenas de pessoas que participaram nas várias residências artísticas nas freguesias que preencheram os anos de 2011 e 2012.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

"Todos os portugueses têm uma dívida com Manoel de Oliveira"


Há setenta anos, quando Aniki Bobó, a primeira longa-metragem de Manoel de Oliveira, chegou às salas, "foi pateado". Um realizador francês, amigo do Mestre, estranhou e perguntou-lhe: "Os portugueses costumam aplaudir com os pés?"
A obra prima do realizador com mais idade no mundo - Oliveira completou 104 anos na semana passada -, demorou muito tempo a ser entranhada. Mas quem a viveu por dentro, como os actores, não se cansa de a ver. "Já perdi a conta às vezes que vi o filme", sorri Fernanda Matos, a Teresinha da ficção, a menina de coração disputado por dois rapazes, a mulher de 80 anos que aceitou viajar com o JN no tempo, até ao tempo em que tinha onze anos e não podia imaginar que estrear-se como actriz num filme de Oliveira, mesmo sem nunca ter querido ser actriz, a acompanharia a vida inteira. "Ainda hoje me perguntam se é verdade ser eu a Teresinha. E eu digo: pois sou."

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Londres: Jóias portuguesas no British Museum


Algumas peças da marca portuguesa de joalharia Eleuterio estão em exposição no British Museum, um dos mais importantes museus do mundo, em Londres, desde Setembro.

Flora, Lace e Oriental Fantasy são alguns dos produtos que poderão ser vistos e comprados no maior e mais antigo museu do Reino Unido, que tem 250 anos de história e uma coleção permanente de mais de oito milhões de obras.

Numa nota publicada no site da marca de joalharia lusa, Luís Antunes, da Eleuterio refere que este facto não só é “extremamente dignificante para a marca, a presença das peças Eleuterio no British Museum é também um testemunho à qualidade e originalidade da ourivesaria portuguesa”.

A Eleuterio foi criada em 1925, em Travassos seguindo, até aos dias de hoje, uma tradição artesanal na produção de ourivesaria. A combinação entre o estilo clássico, personificado na arte da filigrana, e contemporâneo é o que caracteriza as peças e as torna únicas, trabalhadas, sempre, ao detalhe.

"Aniki-Bobó" estreou-se há 70 anos

 

Há 70 anos, chegava às salas de cinema a primeira longa-metragem de ficção de um jovem realizador semidesconhecido. Os ataques violentos que sofreu não fariam supor a glória de que hoje desfruta.
Habituada ao folclore ruralista e à exaltação nacionalista dos filmes do Estado Novo, a crítica (ou, pelo menos, a sua ala conservadora, maioritária) não deixou passar em claro a estética arrojada de "Aniki-Bobó".
"Subversivo, "imoral", "verdadeira monstruosidade" e "infame cilada" foram alguns dos 'mimos' com que foi brindada a película que começou por chamar-se "Corações pequeninos" e "Gente miúda", em homenagem aos miúdos da Ribeira do Porto que protagonizam o filme.
Para Manoel de Oliveira, então com 34 anos, os contornos do caso não poderiam ser mais coincidentes com o verificado 11 anos antes. O não menos marcante "Douro, faina fluvial" foi pateado pela plateia durante o V Congresso da Crítica, apesar do imediato apoio que obteve de figuras como José Régio ou Adolfo Casais Monteiro.
Se a crítica desconfiou do filme, a reação do público não foi muito diferente. Apesar da intensa campanha publicitária, "Aniki- Bobó" esteve em cartaz apenas cinco semanas, período invulgarmente curto numa época em que era comum o mesmo filme ser exibido meses a fio.

Fotografia: Portugueses premiados em concurso europeu

Três dos cinco prémios atribuídos no concurso europeu de fotografia e vídeo “Regresso ao Futuro – A agricultura”, foram conquistados por portugueses. O concurso contou com a participação de 273 fotos e oito vídeos.

Foram esta segunda-feira anunciados, em Bruxelas, os vencedores do concurso europeu de fotografia e vídeo “Regresso ao Futuro – A agricultura” , promovido no âmbito da campanha de informação “PAC: Regresso ao Futuro” levada a cabo em Portugal, Bulgária, Estónia, e Malta, para assinalar o 50º aniversário da Política Agrícola Comum (PAC).

Na categoria “Qualidade, diversidade e saúde – a política agrícola europeia e a produção” o vencedor foi o português Manuel Luís Gomes Rebelo com a fotografia “Vinho - Vale do Douro”. Na categoria “O futuro do mundo rural” venceu o português Francisco Telles e na categoria “Agricultura biológica e agroturismo” o vencedor foi o estónio Eddy Kont. Na categoria vídeo, o prémio foi para Ott Rõngas. Todos eles irão receber mesas digitalizadoras como prémio.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

51 obras de Maria Helena Vieira da Silva no Rio

Uma exposição com 51 obras de Maria Helena Vieira da Silva abre hoje no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, no Brasil, para homenagear a pintora portuguesa e o marido, que viveram naquele país na década de 40 do século XX.
Intitulada "Vieira da Silva - Agora", a exposição vai estar patente até 17 de fevereiro de 2013, no âmbito da programação do evento Ano de Portugal no Brasil, em curso até junho do próximo ano.
Com esta mostra, a Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva (FASVS), que gere o museu, em Lisboa, dedicado à obra da artista e do marido, vai homenagear a pintora, em conjunto com duas entidades do Rio de Janeiro, a Associação Espírito Santo Cultura e o Museu de Arte Moderna (MAM).
De acordo com a diretora do museu, Marina Bairrão Ruivo, que será também comissária da mostra, com Luiz Camillo Osorio, do MAM, será apresentada ainda uma fotobiografia de Vieira da Silva (1908-1992).

Joana Vasconcelos eleita personalidade do ano


Joana Vasconcelos foi eleita Personalidade do Ano 2012 pela Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal (AIEP). A artista plástica arrecadou o prémio Martha de la Cal, através do qual os jornalistas estrangeiros a exercer no nosso país distinguem anualmente a figura ou instituição portuguesa que mais se destacou.

“Este ano tivemos muitas propostas ligadas ao universo das artes e da cultura. Se calhar, por ser um ano de crise, precisamos muito do que embeleza a nossa vida e nos faz sonhar ou pensar de outra forma”, disse à Lusa a presidente da AIEP, Marie-Line Darcy, correspondente em Portugal da Rádio France Internationale e do La Tribune.

A projeção que Joana Vasconcelos alcançou com a sua exposição em Versalhes, Paris, que contou com cerca de 1 milhão de visitantes, é o principal motivo que justifica a atribuição do título de personalidade do ano à artista portuguesa.



Rui Martins reúne em livro biografias fadistas

O investigador Rui Martins biografou 75 fadistas do século XXI, entre "monstros sagrados", a "nova geração" e a "intemporal Amália", num livro com fotografias inéditas de João Vasco, que é apresentado na terça-feira.
"De A de Aldina Duarte a V de Vicente da Câmara, o livro junta alguns monstros sagrados que prosseguiram as suas carreias no século XXI, como Maria da Fé, Argentina Santos, Anita Guerreiro, Beatriz da Conceição ou Carlos do Carmo, aos da 'nova geração'", disse à Lusa Rui Martins.
O livro intitula-se "Fadistas no séc. XXI - O fado revisitado em biografias várias", conta com um prefácio de Sara Pereira, diretora do Museu do Fado, espaço onde a obra é apresentada terça-feira, às 19:00, numa sessão que termina com fados e guitarradas, com a participação do autor, de Liana e Vanessa Silva, acompanhados por Manuel Gomes, na guitarra portuguesa, e Fernando Gomes, na viola.
Na "nova geração", segundo Rui Martins, sobressai Mariza, "porque faz a transição do século XX para o XXI, pelo carisma e o perpetuar da internacionalização do fado, pela pujança".
Público.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Prémio Leya para Nuno Camarneiro Entre 270 obras concorrentes, 4ª edição do Prémio Leya distingue por unanimidade o autor de "Debaixo de algum céu"






Depois de no ano passado ter premiado o escritor João Ricardo Pedro, é a vez de Nuno Camarneiro ser galardoado com o Prémio Leya.
Nuno Camarneiro venceu com o romance "Debaixo de algum céu", que o júri encabeçado por Manuel Alegre - e do qual fazem parte Nuno Júdice, Pepetela, José Castello, José Carlos Seabra, Lourenço do Rosário e Rita Chaves - escolheu "por unanimidade" entre as 270 obras originais concorrentes.
Natural da Figueira da Foz e nascido em 1977, Nuno Camarneiro foi investigador em Engenharia Física antes de se tornar escritor. Licenciado pela Universidade de Coimbra, trabalhou no CERN (Organização Europeia para a Investigação Nuclear) em Genebra e doutorou-se em Ciência Aplicada ao Património Cultural, em Florença.

Expresso.http://expresso.sapo.pt/premio-leya-para-nuno-camarneiro=f774448

Encenador português vai dirigir tenor Plácido Domingo

O encenador português Pedro Ribeiro vai dirigir o aclamado tenor Plácido Domingo numa ópera na Royal Opera House, em Londres, com estreia marcada para 30 de Março de 2013, no âmbito do programa de jovens artistas que ali frequenta.

Em declarações à Lusa, o encenador, de 30 anos, contou que esta "é uma nova produção que vem do Scala [de Milão." Já está feita, já temos os figurinos, já temos a cenografia, já temos tudo", desvendou Pedro Ribeiro.

Reconhecendo que se trata de uma oportunidade única, o jovem salienta que “vai ser o ponto alto poder ter uma semana com o Plácido Domingo a trabalhar. Vai ser incrível!".

Durante o próximo ano, o português será ainda assistente de encenação nas óperas "Eugene Onegin" e "La Donna del Lago" e também encenador principal de dois espetáculo.


domingo, 16 de dezembro de 2012

Dilma Rousseff decide em breve se adia plena aplicação do Acordo Ortográfico


A Presidente do Brasil Dilma Rousseff é quem terá a palavra final. No seu gabinete, está um decreto preparado por responsáveis do seu Governo para adiar a plena aplicação do Acordo Ortográfico (AO), que apenas aguarda aprovação presidencial

Inicialmente, no Brasil, a data para a plena aplicação do acordo era 1 de Janeiro de 2013. A data agora mais badalada e que apenas aguarda decisão presidencial é 1 de Janeiro de 2016, a mesma para a entrada em vigor total do AO decidida em Portugal.

Ao longo da última semana várias foram as vozes que deram como certo um adiamento. Será para esse cenário que aponta o consenso. Mas nem todos os sectores têm os mesmos interesses. De um lado, estariam editores e orgãos de comunicação social que já adoptaram as novas regras, a pressionar para uma entrada em vigor obrigatória já em 2013. Do outro, os mais cépticos tenderiam para o adiamento e mesmo uma revisão do acordo. Chegou a haver uma proposta para se adiar a entrada em vigor obrigatória para 1 de Janeiro de 2019. E há senadores que defendem mesmo a revisão do acordo.
Público.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Richard Zenith é Prémio Pessoa


O escritor norte-americano Richard Zenith (com nacionalidade portuguesa há três anos, NR) é o vencedor do Prémio Pessoa 2012. Zenith é investigador pessoano, tradutor e crítico literário, responsável pela tradução para inglês de autores como Camões, Sophia de Mello Breyner, Drummond e Antero de Quental.

O anúncio foi feito, como habitualmente, no Palácio de Seteais em Sintra por Francisco Pinto Balsemão, que preside ao júri também constituído por Fernando Faria de Oliveira (Vice-Presidente), António Barreto, Clara Ferreira Alves, Diogo Lucena, João Lobo Antunes, José Luís Porfírio, Maria de Sousa, Mário Soares, Miguel Veiga, Rui Magalhães Baião, Rui Vieira Nery e Viriato Soromenho-Marques.

De acordo com o presidente do júri, Pinto Balsemão, a proposta do nome de Richard Zenith foi feita por duas pessoas exteriores ao Prémio Pessoa: Rui Vilar e Nicolau Santos. Balsermão lembrou que Zenith, nascido nos EUA, se tornou“cidadão de Portugal por dedicação e louvor a uma obra, a de Fernando Pessoa, uma literatura, a nossa, e uma língua, a portuguesa”. É um “estudioso e investigador da obra e figura de Fernando Pessoa, Richard Zenith tem posto o conhecimento acumulado ao longo de décadas ao serviço disciplinado e metódico de uma paixão”, acrescentou.


Curta portuguesa "Alfama" premiada em França

A curta-metragem "Alfama", realizada pelo português João Viana, acaba de conquistar mais um prémio internacional. Desta vez, o filme conquistou o prémio "Amadis du Meilleur Montage" durante a 5ª edição do Festival do Filme Lusófono e Francófono de Montpellier, que decorreu em França no início deste mês.

"Alfama", produzido pela Papaveronoir Filmes, foi lançado em 2011 e é um filme sem diálogos onde o som conta, literalmente, uma história, rodado a bordo de um comboio Alfa Pendular, entre Lisboa e o Porto.

A película é interpretada por Inês Fouto, Paulo Herbert e João Baptista nos principais papéis, contando ainda com uma participação especial da artista Carminho, responsável pelo fado "Escrevi teu nome no Vento".

O filme de João Viana foi o único com assinatura portuguesa a ser premiado no evento, durante o qual foram apresentadas mais de uma centena de obras. França, Brasil, Bélgica e Canadá foram outros dos países galardoados.


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Brasil ‘enrola’ a língua



A aplicação obrigatória do novo Acordo Ortográfico corre o risco de vir a ser adiada pelo maior país de Língua Portuguesa: o Brasil. O Governo deste país está a preparar um decreto presidencial para adiar a vigência obrigatória do documento só para 31 de Dezembro de 2015, em vez de 2014.

Em Portugal, 2012 está a servir para aplicar o novo Acordo nos serviços públicos e, até agora, as principais instâncias aguardam para saber se a presidente brasileira, Dilma Rousseff, sempre dará luz verde a este adiamento.

"Não há a menor condição de entrar em vigor já no dia 1 de Janeiro. Este Acordo é uma colcha de retalhos", disse, esta semana, o senador do Partido Social Democracia Brasileira, Cyro Miranda, autor desta nova tese.

Nota: Desenrole-se o assunto, dando o acordado por nao acordado e acabe-se com esta triste história do (des)acordo!

Prémio Manuel António Pina para literatura infanto-juvenil

A editora Tcharan vai criar em 2013 o prémio Manuel António Pina para distinguir obras da literatura para a infância e juventude, disse hoje à agência Lusa Marta Madureira, ilustradora e uma das fundadoras da editora.

"Já andávamos a pensar na criação do prémio há algum tempo, mas agora com o desaparecimento do Manuel António Pina achámos que o devíamos homenagear. Falámos com a família e decidimos avançar", disse Marta Madureira.

O regulamento está ainda a ser finalizado, mas a ilustradora adiantou que o prémio literário terá uma dotação de 1.500 euros e pretende distinguir textos em língua portuguesa, e possivelmente espanhola, editados ao longo de um ano.

O prazo de candidatura para esta primeira edição terminará a 28 de fevereiro e refere-se a livros publicados ao longo de 2012.


quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Prémio Camões é hoje entregue a Dalton Trevisan

O escritor conhecido como "O Vampiro de Curitiba", título de um livro seu editado em 1965, não estará presente na cerimónia que se realiza às 18:30 locais (20:30 de Lisboa), sendo representado pela editora Sônia Jardim, da Record, que chancela, habitualmente, os seus livros.

A escolha de Dalton Jérson Trevisan para o Prémio Camões 2012 foi unânime e segundo o júri "significa uma opção radical pela literatura enquanto arte da palavra".

No anúncio do vencedor, feito em maio passado em Lisboa, o presidente do júri, Silviano Santiago, referiu as "incessantes experimentações [de Dalton Trevisan] com a Língua Portuguesa, muitas vezes em oposição a ela mesma" e sublinha "a sua dedicação ao fazer literário, sem concessões às distrações da vida social e pessoal".

Entre 1946 e 1948, o escritor editou a revista "Joaquim", que reunia ensaios e contos de autores como António Cândido, Mário de Andrade e Carlos Drummond de Andrade, além de traduções de escritores como Franz Kafka, Marcel Proust ou Jean-Paul Sartre.

Acidente interrompeu concerto de Maria João Pires em San Sebastian


Maria João Pires (n. Lisboa, 1944) teve de interromper um recital no auditório da Fundação Kursaal, na cidade basca espanhola de San Sebastian, na noite do passado sábado, depois de ter sido atingida por uma placa de sinalização nos bastidores, no intervalo do espectáculo.

Segundo hoje noticia o diário ABC, citando a agência Efe, a pianista portuguesa foi assistida no local por enfermeiros, e recuperou, de forma a querer mesmo retomar o concerto, passado meia hora. Mas foi aconselhada a não o fazer e, no final, por precaução, deslocou-se a um centro de saúde, onde foi examinada. Aí foi informada de que não padecia de nada de grave. Regressou ao hotel e, na manhã de domingo, viajou para Madrid, como estava previsto.

A segunda parte do concerto no Kursaal foi assegurada, a solo, pelo violoncelista brasileiro Antonio Meneses, que interpretou uma suite de Bach, num programa que originalmente incluía obras de Schubert, Brahms e Mendelssohn.


quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Realizador Manoel de Oliveira fez ontem 104 anos


O realizador português Manoel de Oliveira festejou o 104º aniversário, num ano em que estreou o filme "O gebo e a sombra", rodou uma curta-metragem em Guimarães e prepara duas novas obras.
Depois de um verão passado a recuperar de uma insuficiência cardíaca, Manoel de Oliveira cumpre um dia de aniversário em família.
Manoel de Oliveira, o mais velho realizador ainda em atividade, termina um ano que ficou marcado pela estreia do filme "O gebo e a sombra", que passou no festival de Veneza, e pela rodagem da curta-metragem "O conquistador conquistado", a convite de Guimarães Capital Europeia da Cultura.
Atualmente tem outros dois filmes em carteira, ambos em fase de captação de financiamento: "O velho do Restelo", inspirado em textos de Camões, Teixeira de Pascoaes e Cervantes, e "A igreja do diabo", a partir dos contos de Machado de Assis.

Diário de Notícias

domingo, 9 de dezembro de 2012

IPC : 27 anos de actividades


            No passado dia 5 de Dezembro o Instituto Português de Cultura celebrou, nos espaços do Centro Português de Caracas, os seus 27 anos de actividades em prol da divulgação da cultura portuguesa em terras venezuelanas.
Ao evento acudiram mais de duzentas pessoas interessadas, que tiveram a oportunidade de assistira um excelente recital com criações musicais sobre versos de Fernando Pessoa, e também de outros autores, o qual foi interpretado pela cantante luso-venezuelana Andrea Imaginario, acompanhada por um conjunto de virtuosos: Miguel Chacón, compositor y clarinetista, Eduardo Galián, bandoneonista, Roberto Girón, guitarrista e Carlos “Nené” Quintero, percussionista.
Andrea Imaginario maravilhou a assistência com a melodiosa voz de soprano, formada na Escola de Música Lino Gallardo, sob a direcção da professora Mariela Valladares. Também estudou canto em Portugal, no Estoril, com os maestros Sara Walker, Graham Johnson, Robert White y Loh Siew Tuan.
A celebração – e que celebração! – contou com a presença do embaixador de Portugal, a chanceler do consulado-geral, presidentes do Centro Português (actual e entrante), autoridades eclesiásticas, associações luso-venezuelanas e um publico que vibrou em crescendo à medida que avançava o recital, que combinou vários géneros de musica portuguesa, fado incluído, com um “toque” latino-americano, numa conjugação harmoniosa de ambas as raízes.
A abrir o acto interveio o presidente do IPC, com umas palavras sobre a importância de preservar, defender e divulgar a cultura portuguesa.
Nas imagens podemos apreciar Andrea Imaginario e a sua banda num momento da sua intervenção, no final do recital e a clássica fotografia de fim de festa.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Tabu de Miguel Gomes em 46 salas francesas

É mais um passo na internacionalização do cineasta português que não pára de aparecer na imprensa estrangeira. Em janeiro fará parte do popular festival Télérama.

Depois dos prémios da crítica e de inovação no Festival de Berlim, e de estar na lista dos melhores filmes do ano das revistas francesa Cahiers du Cinema e britânica Sight & Sound, o filme Tabu de Miguel Gomes chega esta quarta-feira a 46 salas de cinema francesas, seis delas em Paris e as outras 40 cobrindo quase a totalidade de França.

As salas de Paris em que Tabu vai passar mostram habitualmente filmes independentes e têm um público habituado ao cinema de autor, diz Lucie Commiot, da distribuidora francesa Shellac. Mas em Janeiro, Tabu fará parte de um dos 15 filmes do Festival de Cinema Télérama, que se espalha por mais de 200 salas em França e cujo cartaz é escolhido pelos jornalistas da revista de cinema mainstream Télérama.

Ou seja, se as 46 salas são “um bom número, melhor do que a média”, já o facto de estar incluído no Télérama sete semanas depois da estreia é “muito bom”, pois vai chegar a outro tipo de público. O festival serve de garantia a uma carreira mais longa em sala, se a estreia correr bem, acrescenta a programadora.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Papiniano Carlos morreu aos 94 anos


Poeta, contista e autor de numerosos livros para a infância, Papiniano Carlos morreu, quarta-feira, em Pedrouços, na Maia, onde residia há longos anos, de causas naturais. Contava 94 anos.
"A menina gotinha de água" é a sua obra mais célebre. Publicada em 1962, seria sucessivamente reeditada, com um amplo acolhimento junto do público infantil. A produção literária de Papiniano Carlos iniciou-se, porém, em 1942, com uma coletânea de poemas intitulada "Esboço". Quatro anos depois, escreveu "Terra com sede", volume de contos publicado pela Editorial Inova fortemente influenciado pela corrente neorrealista.
Nascido em Maputo, Moçambique, mas fixado no Porto desde muito jovem, foi um dos lídimos representantes da designada geração de 50, de que faziam parte Egito Gonçalves, Luís Veiga Leitão, António Rebordão Navarro ou Daniel Filipe. Publicou com abundância nos anos 50 e 60, período em que escreveu títulos marcantes como "Poema da fraternidade", "Estrada nova"ou "As florestas e os ventos". Fervoroso combatente antifascista, foi preso três vezes pela PIDE, colaborou nas revistas "Seara Nova" e "Vértice" e integrou os corpos dirigentes do Círculo de Cultura Teatral do Teatro Experimental do Porto. Como membro do Conselho Português para a Paz e Cooperação, fez várias viagens ao estrangeiro, no decurso das quais conheceu Pablo Neruda, então embaixador em Paris, de quem se tornou amigo.

O Teatro está mais pobre - Morreu o encenador Joaquim Benite

Fundador da Companhia de Teatro de Almada tinha 69 anos. "Os encenadores nunca ficam na história", disse um dia.
O encenador Joaquim Benite, director do Teatro Municipal de Almada e do Festival de Almada, morreu esta noite de quarta-feira, aos 69 anos, na sequência de complicações respiratórias motivadas por uma pneumonia, anunciou a companhia em comunicado. "O país perde assim um dos seus mais prestigiados encenadores, ligado ao movimento de renovação do teatro português no período que antecedu e que se seguiu à revolução de 1974", diz a companhia.

Benite foi o rosto de um dos mais importantes projectos de teatro em Portugal. O Festival de Teatro de Almada, que começou em 1984 no Beco dos Tanoeiros, tornou-se, ao longo das suas 28 edições, um dos mais relevantes festivais de teatro do mundo. Foi, ao lado dos Encontros Acarte, na Gulbenkian, o lugar por onde passaram as mais importantes companhias e os mais significativos nomes da cena mundial. O encontro em Almada, todos os anos de 4 a 18 de Julho, é considerado como um momento alto da programação teatral não apenas em Portugal mas um ponto de encontro para especialistas e público vindos de vários países. Foi por Almada que passaram companhias vindas da América do Sul e de África, quando ainda não existiam circuitos de programação instituídos. Foi também neste festival que se começaram a ver os primeiros nomes vindos da Europa de Leste, quando ainda não estavam abertas as fronteiras.


O Homem Duplicado é "uma experiência cinematográfica alucinante", diz Jake Gyllenhaal


"O Homem Duplicado é uma viagem fascinante pela História, por um mundo que só José Saramago podia criar", afirmou à agência Efe o ator Jake Gyllenhaal, o protagonista do filme que, antecipa, será "uma experiência cinematográfica alucinante".

Jake Gyllenhaal foi escolhido para o papel de Homem Duplicado pelo realizador canadiano Dennis Villeneuve e contracena com Sarah Gadon e Melanie Laurent. O titulo original do filme é An Enemy e a estreia será em 2013.

"É sem duvida um dos filmes mais complexos e estranhos que fiz na vida, incluindo Donnie Darko. É uma viagem fascinante pela História, um mundo que só Saramago podia criar. Será uma experiência cinematográfica alucinante" - disse Jake Gyllenhaal.

O ator deu a entrevista à Efe a propósito da estreia do filme Fim de Turno (End of Watch), de David Ayer, que protagoniza com Michael Peña.

 Fundação José Saramago.