segunda-feira, 30 de abril de 2012

Portugal conquista duas medalhas de prata nas Olimpíadas da Ciência

 
As duas equipas de estudantes portugueses que participaram nas Olimpíadas da Ciência da União Europeia conquistaram uma medalha de prata cada, o melhor resultado nacional de sempre na prova,
Em disputa estava um total de seis medalhas de ouro, 17 de prata e 21 de bronze, num concurso em que Portugal participou pela quarta vez e foi disputado por 40 equipas de 22 países, na Lituânia, indicou a coordenadora da comitiva lusa, Isaura Vieira.
As duas equipas portugueses, com três membros cada, obtiveram notas de 65,5% e 65%, numa lista em que surge como vencedor um grupo de estudantes da Estónia, que atingiu os 87%, precisou a responsável da Direção Geral da Educação.
Jornal de Notícias.

Animação inspirada em Almada Negreiros


Integrado na competição oficial de curtas-metragens nacionais está O Cágado, simpática animação inspirada no conto homónimo de Almada Negreiros que recupera o modelo da fábula para nos confrontar com uma perturbante lógica do absurdo.
Realizado por Pedro Lino (vencedor do Prémio Jovem Cineasta Português no festival Cinanima 2004) e Luís da Matta Almeida (produtor e realizador na Zeppelin Filmes) há aqui uma ideia de círculo (os próprios realizadores o dizem na nota de intenções presente no programa do festival) que nos remete, no limite, ao mito de Sísifo (de novo o absurdo de que nos falou Camus vem à cabeça). Filme simples (e também, já agora, cinéfilo) que privilegia o tempo para mostrar uma qualidade muito humana: a teimosia. Fica o exercício de imaginação: e se o cágado fosse... uma nota de 500 euros? In Diário de Notícias.

domingo, 29 de abril de 2012

Supremo espanhol anulou condenação de José Saramago


O Tribunal Supremo espanhol anulou uma sentença de 2010 que condenava o escritor português José Saramago, falecido em 2010, a pagar 717.651 euros em impostos, considerando que foram excedidos prazos para a fiscalizção da actividade contributiva do autor, noticiou a agência noticiosa Efe.
Em Abril de 2010, dois meses antes de morrer, José Saramago foi condenado por um tribunal superior espanhol a pagar ao Tesouro de Espanha impostos relativos aos anos fiscais entre 1997 e 2000, no valor de 717.651 euros.
Na altura, a justiça espanhola considerou que o escritor tinha residência permanente em Espanha, no município de Tias (Lanzarote) e, portanto, devia prestar contas ao tesouro espanhol e não ao português.

“Sangue do meu Sangue” vence prémio na Áustria

O filme “Sangue do meu Sangue”, de João Canijo, venceu na noite deste sábado o Prémio New Vision, no valor de cinco mil euros, no Festival Crossing Europe, em Linz, na Áustria, segundo a produtora Midas Filmes.
A longa-metragem do realizador português tem ganho vários prémios internacionais, entre os quais o Prémio da Crítica Internacional e o Prémio Outra Mirada no Festival de San Sebastian, em Espanha, e o Grande Prémio do Júri no Festival de Miami, nos Estados Unidos.
Sangue do meu Sangue” – protagonizado por Rita Blanco, Anabela Moreira, Cleia de Almeida, Nuno Lopes e Rafael Morais – vai ser apresentado por Canijo, nesta segunda-feira, no Festival Internacional de Cinema D’Autor de Barcelona, sendo que, algumas horas mais tarde, o Panamá International Film Festival vai mostrar também a longa-metragem, contando com a presença do actor Rafael Morais.
Público.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Mais um museu da Língua


Um segundo Museu da Língua Portuguesa, nos mesmos moldes do que já existe em São Paulo, está a ser construído na cidade de São Luís, no estado do Maranhão, nordeste do Brasil. 
O novo espaço dedicado à história da língua portuguesa será instalado no palácio onde funcionava o antigo Liceu Maranhense, no centro histórico de São Luís do Maranhão, marcado pela colonização portuguesa.
O projecto terá um custo de 22 milhões de reais (8,87 milhões de euros) e pretende oferecer actividades educativas e lúdicas, além de proporcionar experiências interactivas com diversos recursos multimédia. In Correio da Manhã.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

IndieLisboa: Arranque é hoje no São Jorge


 Mais cinema nacional
Arranca hoje o 9º IndieLisboa, Festival de Cinema Independente, e, entre os 233 filmes em desfile até 6 de Maio, o cinema português ganha destaque.
Segundo a organização, a produção nacional vive "um período particularmente bom", depois das recentes premiações de Miguel Gomes e João Salaviza no Festival de Berlim, e estará representada com 38 filmes – seis longas-metragens e 32 curtas.
"Numa altura em que se fala de crise e da nova lei que tarda, quisemos ainda mais impulsionar o nosso cinema", diz Miguel Valderde, da direcção do Indie.
Aliás, Salaviza terá mesmo dois filmes no certame: ‘Rafa’ (sexta-feira, 21h30, na Culturgest), Urso de Ouro na Berlinale, e o mais recente ‘Cerro Negro’ (sábado, 18h15, na Culturgest, com repetições nos dias 30 e 3 de Maio) tem estreia nacional no IndieLisboa. ‘Em Segunda Mão’, de Catarina Ruivo, é também oportunidade para ver a última prestação de Pedro Hestnes, actor recém-falecido, no domingo, às 21h30, na Culturgest (e repete a 1 de Maio).

Colóquio Internacional da Língua Portuguesa…


O valor e a dimensão da língua portuguesa na Internet estão em análise a partir deste dia até 26 de abril no 3.º Colóquio Internacional da Língua Portuguesa, organizado pelo Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), em parceria com a Unilab (Universidade de Integração da Lusofonia Afro-Brasileira) e o Conselho Nacional de Educação, em Guaramiranga, no estado do Ceará (Brasil).
O Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) é uma instituição da CPLP com sede em Praia, capital de Cabo Verde. Seus objetivos são, conforme os estatutos, "a promoção, a defesa, o enriquecimento e a difusão da língua portuguesa como veículo de cultura, educação, informação e acesso ao conhecimento científico, tecnológico e de utilização oficial em fóruns internacionais".
A sua criação foi proposta em 1989 pelo então Presidente da República do Brasil, José Sarney, durante a primeira cimeira daquela organização internacional, realizada em São Luís do Maranhão. No entanto, só 10 anos depois, por ocasião da VI Reunião Ordinária do Conselho de Ministros da CPLP, em São Tomé e Príncipe, o Instituto foi finalmente criado.

Mais aqui...

quarta-feira, 25 de abril de 2012

1974-2012 DIA DA LIBERDADE

A 39 mil euros: Arquitectos de Viana já estão a produzir a MIMA House

Em poucos meses, o projecto da premiada MIMA House, de dois jovens arquitectos de Viana do Castelo, passou da fase experimental para a de comercialização. Graças a um acordo com uma fábrica da região, a dupla pode começar a dar resposta a centenas de encomendas destas casas prefabricadas de inspiração japonesa. Os pedidos, já com lista de espera, chegam de países como Brasil, Chile, EUA, Canadá, entre outros.

Após um período de sistematização de processos para definir a "forma mais rápida de produção" e o método "mais eficiente de transporte e montagem" foi encontrada a parceria certa. O conceito de habitação está em condições de começar a ser produzido, em série, em menos de dois meses, numa fábrica do Norte do país. Com o arranque da fase de produção os dois arquitectos admitem a necessidade de contratação de vários especialistas face ao volume de encomendas.

25 DE ABRIL... sempre!

25 DE ABRIL
Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo
Sophia de Mello Breyner Andresen
Facebook: 25A em tempo real.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Filme de Gonçalo Tocha premiado em Buenos Aires

A longa-metragem "É na Terra não é na Lua", do realizador português Gonçalo Tocha, conquistou o prémio de Melhor Filme na secção Cinema do Futuro do Festival Internacional de Cinema Independente (BAFICI), em Buenos Aires.
A 40ª edição do festival encerrou sábado com a entrega dos galardões, tendo sido premiada a película israelita "Policeman", de Nadav Lapid, com o prémio de Melhor Filme da seleção oficial internacional, indica o sítio online no certame. In Diário de Notícias.

Feira do Livro de Lisboa é hoje inaugurada

A 82.ª Feira do Livro de Lisboa abre hoje sob o lema "Há mais vida na cidade" propondo livros a preços mais baratos, novidades editoriais e uma programação cultural que inclui dança e fado, entre outras expressões.
A feira, que decorre no cenário habitual do Parque Eduardo VII até ao dia 13 de maio, conta com 240 pavilhões de 112 participantes, entre eles a rede de Bibliotecas Municipais que, sob o mote "Lusofonia a língua que nos une", apresenta diversas iniciativas para os jovens, famílias e público em geral.
Susana Silvestre, da rede de bibliotecas, destacou entre as diversas iniciativas, a celebração dos 10 anos da restauração da independência de Timor-Leste, a 13 de maio, e o dia da Língua e Cultura Portuguesas, a 5 de maio.

Dia Mundial do Livro - Apresentação de Lucerna

Difícil ter de explicar um nascimento, seja de um ser humano ou seja, como neste caso, o de uma revista literária e eletrónica. Os nascimentos acontecem e as vidas desenvolvem-se sem necessidade de notas introdutórias, como muito se comenta o porquê do nome escolhido para a criatura e se lhe deseja que tenha uma boa e longa vida. Façamos o mesmo aqui, que tal parece ser coisa sensata.
 
Lucerna, dizem os dicionários, é “uma janela alta que serve para ventilar e dar luz a um quarto”. É também sinónimo de claraboia, palavra escolhida por José Saramago no começo da sua vida literária para intitular um romance e para, talvez, concretizar uma declaração de intenções daquilo que queria que fosse o seu trabalho de escritor: olhar através de uma janela discreta o que se passa no mundo ou nas almas, observar com atenção ativa e respeitosa, contar o que tinha visto, refletir sobre os movimentos que são o viver. É o que se pretende modestamente com Lucerna.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

DIA MUNDIAL DO LIVRO Fundação permite consulta de original de Saramago


A Fundação José Saramago vai permitir hoje a consulta do original e do caderno de notas de "Claraboia", o romance de juventude que José Saramago , numa iniciativa integrada nas comemorações do Dia Mundial do Livro.
Fonte da fundação explicou que o primeiro número será dedicado à "atual situação do livro", política e mercado livreiro.
Também estarão disponíveis para consulta o original e o caderno de notas de "Claraboia", o romance de juventude que José
No Porto, numa iniciativa da Câmara Municipal, são postos a circular nas carruagens do metro 3 livros de grandes dimensões onde as pessoas são convidadas a trocar por palavras os seus pensamentos e as suas ideias, disponibilizando de novo o livro para que outros o façam a seguir.

domingo, 22 de abril de 2012

Actriz portuguesa em Cannes...

'Amour', realizado por Michael Haneke, com a atriz portuguesa no elenco, é um dos filmes em competiação no Festival de Cannes, juntamente com 'Cosmopolis, de David Cronenberg e produzido por Paulo Branco.
De 16 a 27 de maio Cannes recebe a 65.ª edição do mais importante festival de cinema europeu.
'Moonrise Kingdom', de Wes Anderson, foi não só escolhido por filme de abertura, mas está também na seleção oficial competitiva. Nesta lista encontramos, entre outros títulos, 'Amour', de Michael Haneke, que conta com a prestação da atriz portuguesa Rita Blanco, e 'Cosmopolis', de David Cronenberg, produzido por Paulo Branco. Este filme é protagonizado por Robert Pattinson, que se celebrizou na saga de filmes de vampiros 'Twilight'.

sábado, 21 de abril de 2012

Vasco Graça Moura esperançado na revisão do acordo

O escritor Vasco Graça Moura mostrou-se quinta-feira à noite convicto de que o novo acordo ortográfico da língua portuguesa será revisto, levando à correção de "muitas asneiras". O presidente do Centro Cultural de Belém (CCB), um dos fervorosos críticos da nova grafia, salientou que a última posição do Governo, tomada numa reunião ministerial em Luanda, mostra que há "grandes divergências num conjunto de normas aplicadas à grafia no espaço da língua portuguesa". "Acho que pode haver um volte-face porque a própria declaração final dos ministros vai nesse sentido, de que é preciso fazer ajustamentos, leia-se revisão", disse o escritor, em Coimbra, à entrada para um encontro da Comunidade de Leitores da Almedina. Diário de Notícias.

Museu dos Coches deverá estar concluído no fim de 2013


O diretor-geral do Património Cultural, Elísio Summavielle, revelou hoje que o novo Museu dos Coches, em Belém, deverá estar concluído em finais de 2013, mantendo-se um polo no antigo edifício onde o espólio agora se encontra.
O responsável falava aos jornalistas no Museu Nacional de Etnologia no final da sessão de abertura de um encontro para assinalar o Dia Internacional de Monumentos e Sítios, que hoje se comemora, com mais de 500 iniciativas em todo o país.
Elísio Summaviele disse que a nova orgânica da Direção Geral do Património Cultural (DGPC) - resultado da fusão do Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico (IGESPAR) com o Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) e a Direção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo (DRLVT) - vai ser aprovada em Conselho de Ministros na quinta-feira.

Diário de Notícias.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Em Paris: Morreu pintor português Benjamim Marques

O pintor português Benjamin Marques, 74 anos, morreu quinta-feira em Paris, na sequência de complicações de uma cirurgia ao coração realizada num hospital da cidade, disse fonte da Perve Galeria, de Lisboa. De acordo com a mesma fonte, o pintor, que residia em Paris há mais de 50 anos, "faleceu de forma inesperada", depois de uma cirurgia realizada no Hospital Georges Pompidou. A Perve Galeria recorda que o pintor, nascido em Lisboa, em 1938, tinha sido membro do ‘Grupo do Café-Gelo’, liderado por Mário Cesariny, que, nos anos 1960, sucedeu ao grupo ‘Os Surrealistas’. Radicou-se em França devido à discordância com o regime político de Oliveira Salazar, que lhe retirou a nacionalidade, e naquele país, recorda a Galeria, "empreendeu um trajecto artístico de assinalável expressão, realizando em Paris inúmeras exposições que lhe valeram vários prémios". Correio da Manhã.

Fundação José Saramago lança revista literária digital


A Fundação José Saramago, que abrirá ao público nos próximos meses em Lisboa, criou uma revista literária digital, intitulada 'Lucerna', que estará disponível a partir de segunda-feira, Dia Mundial do Livro.
Fonte da fundação explicou à agência Lusa que o primeiro número será dedicado à "atual situação do livro", política e mercado livreiro.
Terá ainda um dossier sobre 'Claraboia', o romance que José Saramago escreveu na juventude, com textos de Pilar del Río, presidente da fundação, do poeta e ensaista Fernando Gómez Aguilera e do escritor Hector Abad Faciolince.
'Lucerna', que estará disponível no site oficial da fundação, dará ainda destaque mensalmente à literatura para a infância e juventude e à promoção da leitura, debruçando-se no número de estreia sobre a temática do compromisso e sobre o Tamer Institute, organismo de promoção de leitura na Palestina.
A publicação literária terá, a partir do segundo número, edição bilingue em português e castelhano, com tradução assegurada pela Cátedra José Saramago de Tradução da Universidade de Barcelona, em Espanha.
Além de poder ser descarregada na Internet, 'Lucerna' estará disponível para telemóveis e tablets. In Diário de Notícias.

Joaquim de Almeida é "o velho marinheiro" no cinema


O ator português Joaquim de Almeida está no Brasil a rodar 'As Fantásticas Aventuras de um Capitão', filme baseado no livro 'O Velho Marinheiro' de Jorge Amado.
Realizador pelo brasileiro Marco Jorge (do premiado 'Estômago'), o filme conta a história do comandante Vasco Moscoso de Aragão e da sua chegada à vila de Periperi. Vem em busca de repouso depois de uma longa vida de aventuras pelos mares e rapidamente conquista a simpatia dos moradores (e a atenção das mulheres).
José Wilker, Milton Gonçalves, Patricia Pillar, Tainá Muller, Cláudia Raia, Márcio Garcia, Maurício Gonçalves e Sandro Rocha são outros atores que integram o elenco.
'As Fantásticas Aventuras de um Capitão' é uma co-produção internacional que envolve a produtora portuguesa Stopline Filmes, de Leonel Vieira, e a produtora brasileira Total Filmes e ainda a distribuidora Warner Bros. Pictures Brasil.
Além do filme, será produzida uma série de televisão com três episódios. In Diário de Notícias.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Novo mapa do cancro da mama publicado por cientistas portugueses



Imagine que o cancro da mama é um planeta. Agora repare nesta explicação simples: “Até agora, o cancro da mama era composto por quatro continentes. Nós apresentamos um novo mapa, onde revelamos que, afinal, existem dez continentes. No futuro, vamos procurar saber que países, cidades, estradas e rios podemos encontrar aqui.” É com esta bonita imagem que Carlos Caldas, um dos dois cientistas portugueses que lideram uma investigação sobre cancro da mama, explica ao PÚBLICO os resultados do estudo de mais de duas mil amostras de tumores.

Público.

Google celebra 170.º aniversário de Antero de Quental


No dia em que se assinala o 170.º aniversário do nascimento do poeta português, a homepage do Google Portugal celebra a sua carreira
Esta é a imagem que podemos ver hoje na homepage do Google Portugal, que decidiu homenagear Antero de Quental.
O poeta e escritor nasceu a 18 de abril de 1842 em Ponta Delgada, nos Açores, e foi uma das vozes mais marcantes do movimento Geração de 70, um movimento académico do século XIX que veio revolucionar a cultura portuguesa.
Além da sua obra literária, Antero de Quental foi ainda um dos fundadores do Partido Socialista Português e em 1869 fundou o jornal A República.
A 11 de setembro de 1849, tinha na altura 49 anos, o escritor suicidou-se na sua terra natal, mas a obra que deixou tornou-se marcante para a cultura portuguesa. In Diário de Notícias.

"Um Dia na Terra" em estreia....

Um filme feito em todos os países do mundo no mesmo dia por pessoas anónimas. É este o conceito de "Um Dia na Terra", que tem estreia mundial marcada para o Dia da Terra.
Em Portugal, é no auditório do DN e aqui no site que pode ver este filme em primeira mão. Para este projeto contribuíram milhares de pessoas em todo o mundo, que enviaram três mil horas de imagens. Coube a Brandon Litman escolher e editar todo este material, cujo trabalho resultou em "Um Dia na Terra", um documentário de 104 minutos sobre a humanidade.
Ao visionamento segue-se um debate, que será moderado por Leonídio Paulo Ferreira, subdiretor do DN, e que terá entre os oradores, Liliana Azevedo, membro da Plataforma Portuguesa das Organizações Não-Governamentais para o Desenvolvimento.

Mariza conquista após os assobios

Uma noite de emoções. Eis o que Mariza prometera antes do regresso aos palcos e que concretizou ontem, num Coliseu de Lisboa cheio, caloroso e desejoso de demonstrar afecto à mais celebrada fadista do momento.
Agora que foi mãe - e que descobriu dentro de si uma nova mulher, capaz de dar outros sentidos às palavras do Fado - Mariza mostrou-se segura em palco, profissional e ousada na forma cada vez mais pessoal de, ao fim de dez anos de carreira, interpretar a canção de Lisboa.

Correio da Manhã.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Dulce Maria Cardoso e José Luís Peixoto na FLIP

Os escritores portugueses Dulce Maria Cardoso e José Luís Peixoto vão participar na Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), de 4 a 8 de Julho, no Brasil
O romance O Retorno, de Dulce Maria Cardoso, vai ser editado este mês naquele país pela Tinta-da-China brasileira e a escritora anunciou numa entrevista ao caderno Prosa & Verso, do jornal O Globo deste sábado, que é uma das convidadas. Repetente naquele que é o maior evento literário do mundo lusófono é José Luís Peixoto, que esteve lá pela primeira vez em 2005. O escritor, que mudou de editora no Brasil - passou a ser publicado pela Companhia das Letras -, está a lançar o seu último romance, Livro, do outro lado do Atlântico. Numa entrevista que deu ao mesmo Prosa & Verso há semanas, Peixoto revelou que irá fazer uma leitura completa de Morreste-me; será a primeira vez que o fará em palco.

Uma voz de fora: Jeremy Irons quer ver a Lisboa histórica protegida...

A rodar em Lisboa uma co-produção europeia, o filme Comboio Nocturno para Lisboa, o actor Jeremy Irons alertou hoje, em conferência de imprensa, para a necessidade de se preservar a zona histórica de Lisboa, que, no seu entender, constitui “uma verdadeira jóia”.
Alojado num palácio junto ao Castelo de S. Jorge, o britânico conhecido pelas personagens de moralidade dúbia que costuma interpretar afirmou-se chocado com os aglomerados de prédios nos arredores de Lisboa que viu nestes dias. “É uma pena”, declarou, elogiando, ao mesmo tempo, o potencial da cidade e do país.
Vocês têm de perceber aquilo que têm na Lisboa antiga”, disse, acrescentando que o mesmo tipo de erros urbanísticos foram cometidos Europa fora. Jeremy Irons – um apaixonado por castelos antigos, tendo já comprado e reabilitado um destes monumentos – falava numa conferência em que estiveram presentes o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, e os secretários de Estado do Turismo e da Cultura, respectivamente Cecília Meireles e Francisco José Viegas. Questionado sobre as advertências do actor, Francisco José Viegas disse ser da mesma opinião: “A valorização do património e da paisagem é uma das perspectivas da secretaria de Estado”, referiu, criticando o facto de “não se ter feito conservação preventiva durante os últimos anos”.

El manuscrito que devolvió el viento


1953. Este hombre, José Saramago, era un trabajador de muchos oficios; y era, como su abuelo, como sus padres, como los hombres y como las mujeres de Azinhaga, el pueblo portugués en el que había nacido en 1922, una persona silenciosa y sutil, en cuyo interior vivían los dramas que vivía y aquellos que imaginaba detrás de las pequeñas viviendas o dentro de los edificios altos. Ya está en Lisboa, trabaja. Y escribe; ese carácter reconcentrado esconde a un poeta, y a un novelista. Luego será muy conocido, llegará a premio Nobel, pero en ese momento acaba de terminar una novela, su primer libro, y lo titula Claraboya. Lo lleva a una editorial, deja allí el manuscrito, y vuelve a su quehacer lento y melancólico en el medio más hostil posible para la convivencia y para la imaginación: el Portugal de la dictadura de Salazar. Se dedicó a esperar por una respuesta…, y ésta no llegó hasta 1989, cuando él estaba enfrascado en un libro nuevo, El Evangelio según Jesucristo.

Manuel Alegre diz que o maior défice de Portugal é o do "sonho" e da "poesia"


O histórico socialista Manuel Alegre afirmou, esta segunda-feira, que escrever poesia hoje, quando "predomina o império do dinheiro" e a "cultura da 'troika'", é um "ato de resistência", defendendo que o maior défice do país "talvez" seja o "sonho, o da poesia".
Manuel Alegre falava em Lisboa, à margem da apresentação do seu livro de poemas mais recente, "Nada está escrito".
"A poesia, a escrita e a vida são inseparáveis, mas isto não é um livro politico, é um livro de poesia. Só que eu penso que escrever poesia, neste momento, em que predomina o império do dinheiro, a cultura do número, da cifra, da 'troika', etc., isso é em si mesmo um ato de resistência, mesmo que a poesia esteja a falar de amor, esteja a falar sobre o sentido ou não sentido nenhum das coisas, sobre as transcendências. A poesia em si mesmo é um ato de resistência, sobretudo neste momento, em que a linguagem está ocupada por essas coisas todas", disse o também escritor e ex-candidato presidencial.

Jornal de Notícias.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Educação: Igreja diz que ensino superior está a transformar-se num privilégio de elites

O Serviço Nacional da Pastoral do Ensino Superior, da Igreja Católica, está preocupado com os efeitos da crise económica sobre os alunos universitários e enviou, por isso, uma carta ao secretário de Estado do Ensino Superior, João Queiró, na qual apela a “critérios de atribuição de bolsas mais justos”, por temer que o ensino superior fique “restrito às elites económicas”.
Na carta, citada pela Agência Ecclesia, os responsáveis católicos pedem ao Governo que não permita que nenhum aluno abandone o ensino por razões “exclusivamente económicas”, defendendo, ainda, que é preciso “não aumentar o valor das propinas, reforçar o montante do Estado para a Acção Social e tornar mais justos os critérios de atribuição de bolsas”.


Criado Microchip que ajuda a prevenir a morte súbita

Um grupo de investigadores portugueses criou um Microchip de ADN que ajuda a prevenir os dramáticos episódios de morte súbita em atletas de alta competição, como sucedeu por exemplo ao húngaro Miklos Fehér em 2004.
Esta nova tecnologia, que foi esta quinta-feira apresentada e revelada num hotel em Cascais, faz a análise de mutações de ADN que permitem detectar se uma pessoa está sujeita a um risco elevado de sofrer de Miocardiopatia Hipertrófica, uma condição especialmente grave e o principal causador de morte súbita nos atletas.
"Todos deviam fazer este teste. Isto representa uma esperança para o atleta. Estamos a dar oportunidades de vida. O primeiro sintoma de morte súbita é a morte súbita, por isso, não há esperança", lembrou Ana Teresa Freitas, uma das investigadoras e responsáveis pelo aparecimento desta tecnologia em Portugal.

A Reforma Agrária analisada em filme


Linha Vermelha’, já em cartaz, arranca coxo e sem força e, quem não conhecer o tema, desinteressa-se rapidamente. Mas se o espectador se deixar ir poderá aprender mais sobre Portugal e sobre Torre Bela, símbolo da revolução de Abril e da reforma agrária, voz ao povo ou… talvez não tanto.
É esta a questão levantada, de forma pertinente, pelo novo documentário de José Filipe Costa que regressa a 1975 e à ocupação daquela herdade dos Duques de Lafões, no Ribatejo. Será o documentário um ‘mero' retrato da realidade ou pode influenciá-la?

Aberto portal sobre locais de influência portuguesa

A Fundação Calouste Gulbenkian inaugura hoje um portal que sistematiza o património conhecido de influência portuguesa, espalhado pelo mundo, que funcionará de forma interativa, permitindo a colaboração de qualquer cidadão.
"A ideia é transformar a comunidade em geral em pessoas que nos ajudem a fazer esse inventário e a completá-lo", explicou à Lusa o catedrático de Arquitetura da Universidade de Coimbra, Walter Rossa, um dos 76 investigadores envolvidos no projeto.
O portal - www.hpip.org -- partiu da obra coordenada pelo historiador José Mattoso, "Património de Origem Portuguesa no Mundo -- Arquitetura e Urbanismo", publicada pela Fundação, e inventaria 1850 edifícios, obras ou cidades, em 550 locais, datados de 1415 a 1999, ou seja, da data da conquista de Ceuta por Portugal ao ano em que Lisboa transferiu a administração de Macau

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Ranier Sousa apresenta: El Mapa del Reino de Oro

Sinopsis:
En 1540, a bordo de un barco, cargador de esclavos, una serie de muertes misteriosas se van sucediendo. Lo único que los cadáveres exhiben es una extraña marca con las iniciales BA.
Años más tarde, en 1577, mientras un extraño cometa pasa por los cielos de Lisboa, Diogo de Ataíde, un pobre poeta y “escribidor de oficio”, inicia un fantástico viaje a la historia de sus verdaderos orígenes. Lo hará gracias a lo que su padre putativo, Fray Luis, dejó dicho antes de morir, y a las confesiones de su viejo amigo Lopo Farías. Ambos testimonios lo ayudan a desenterrar un pasado enigmático que jamás había sospechado existir y que involucra a un sinfín de extraordinarios personajes con la existencia de un misterioso mapa que señalaría la ruta hacia un magnífico Reino de Oro en las selvas de Sudamérica.

Nota: Este libro, por ahora, sólo está a la venta en Amazon.com

Blog se Rainer Sousa.

Manoel de Oliveira preferia que "O Gebo e a Sombra" se estreasse "extra concurso"

O cineasta português Manoel de Oliveira afirmou hoje não ser "muito amigo de concursos", preferindo que o filme "O Gebo e a Sombra", uma adaptação da obra de Raul Brandão, que se vai estrear brevemente em Cannes fosse extra concurso.
O cineasta mais velho do mundo ainda em atividade, que aos 103 anos diz que "a idade é um capricho e o cinema uma paixão, algo interior", falou à agência Lusa à margem de uma homenagem promovida pela delegação de Abrantes da Ordem dos Arquitetos, iniciativa "inspirada pela proximidade entre o trabalho criativo do realizador e do arquiteto".
Manoel de Oliveira disse à Lusa que "o desafio" nasceu de um amigo que lhe havia sugerido em tempos fazer um filme sobre pobres, "uma história muito difícil de fazer".
O desejo de responder ao desafio e de adaptar este texto de Brandão ao cinema "surgiu naturalmente", unindo dois homens nascidos no Porto, separados por 40 anos, um dramaturgo, outro cineasta.

Teresa Salgueiro regressa aos palcos com O Mistério

A voz única e cristalina está de volta, com um álbum de originais, O Mistério, que foi apresentado ontem em estreia nacional no Cine-Teatro Eduardo Brazão, em Vila Nova de Gaia.

O DN acedeu aos 16 temas que compõe o novo disco, daquela que foi a voz inconfundível dos Madredeus. Pela primeira vez, em 25 anos de carreira, entrega-se à composição das músicas e à escrita das letras, acompanhada de músicos que ela própria escolheu. Um disco portentoso, que recria uma ambiência mística, pensado para ser apresentado ao vivo, com instrumentos até aqui inexplorados, como a bateria e o contrabaixo. Teresa Salgueiro expõe as fragilidades da condição humana, sem nunca perder de vista o otimismo: "A luz da manhã/Revela, anuncia/Ó terra, a esperança não é vã/Renasce a cada dia", canta em A Batalha, o tema de abertura. Uma ode à celebração da vida, do princípio ao fim, capaz de nos tocar no âmago ao imaginar A Partida: "Um dia quando deixar/A minha breve morada/Serei apenas leveza no ar azul (...)/Só o amor ficará".

Mais sobre o Acordo (?) Ortográfico...

O Acordo Ortográfico: inútil e prejudicial, por ANSELMO BORGES

E é aqui que se coloca a questão do Acordo Ortográfico. Para que serve? Unificar a ortografia? São tantas as excepções que não se vê unificação! E a Inglaterra preocupa-se com a unificação do inglês? E ainda não foi ratificado por Angola e Moçambique. O jornal oficioso Jornal de Angola escreveu mesmo, justificando a sua não aceitação: "não queremos destruir essa preciosidade (a língua portuguesa) que herdámos inteira e sem mácula" e: "se queremos que o português seja uma língua de trabalho na ONU, devemos, antes de mais, respeitar a sua matriz e não pô-la a reboque do difícil comércio das palavras. Há coisas na vida que não podem ser submetidas aos negócios".
A maior parte dos colunistas bem como a generalidade dos jornais ignoram-no. Não há consenso para a sua aplicação. Graça Moura suspendeu-a no Centro Cultural de Belém (CCB). Nos documentos oficiais da própria CPLP continua a não ser aplicado, passando-se o mesmo com a Academia das Ciências, a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a Fundação de Serralves, a Casa da Música. Um juiz do Tribunal de Viana proibiu a sua utilização. O secretário de Estado da Cultura admitiu que poderá ainda haver ajustamentos. O filósofo José Gil classificou-o como "néscio e grosseiro". O eurodeputado Paulo Rangel escreveu: "O gesto no CCB é o início de um movimento, cada dia mais forte, de boicote cívico a uma mudança ortográfica arrogante e inútil."

A aldeia de Pessoa era o coração de Lisboa

Marina Tavares Dias tem décadas de escrita sobre a capital e os seus autores. Aqui, guia-nos por um dos passeios incluídos na recente nova edição da sua Lisboa nos Passos de Fernando Pessoa: vamos pela Baixa, Rossio e Chiado à descoberta da aldeia pessoana.
Esta estátua tornou-se um paradigma do turismo pessoano. Dos labirintos mais interiores da criação, puxou-se o poeta até ao show total, elevando a figura a uma das mais fotografadas do país. Para mais, é uma estátua no centro de um certo universo português: ainda há pouco surgia por todos os jornais e ecrãs, espectadora de uma carga policial sobre manifestantes. Aliás, logo após a inauguração, veria logo ser destruído o resto do Chiado em que Pessoa nasceu e viveu: criada por Lagoa Henriques, foi colocada em Junho de 1988. O Chiado arderia em memórias dois meses depois.

domingo, 15 de abril de 2012

Poemas de Eugénio de Andrade em espetáculo musical

Os poemas de Eugénio de Andrade vão estar em destaque em Évora, no sábado, no espetáculo "Até que um Pássaro me Saia da Garganta" -- Sete Canções, Sete Poemas, juntando em palco dois guitarristas, uma cantora e uma atriz

O concerto é promovido pela Fundação Eugénio de Almeida (FEA), no fórum da instituição, às 21:30, e está integrado na temporada de música Melodea 2012.
Em palco, o jazz de José Peixoto, na guitarra, assim como Luís Roldão, vai fundir-se com a poesia de Eugénio de Andrade, "numa mescla de palavras ditas e cantadas", com interpretação a cargo de Teresa Macedo (voz) e Ana Cloe (atriz).
Com "uma forte composição cénica", o espetáculo nasceu da ideia de sonorizar musicalmente sete poemas de Eugénio de Andrade, autonomizando cada um deles numa "peça de câmara" para duas guitarras clássicas e voz, explicou hoje a FEA.
A iniciativa tem ainda música e direção musical de José Peixoto, dramaturgia de Natália Luiza e direção cénica e desenho de luz de Miguel Seabra.

Madredeus iniciam digressão internacional em Londres


Desde que a cantora Teresa Salgueiro resolveu seguir um percurso a solo, no final de 2007, que os Madredeus e a própria Salgueiro, nunca mais conseguiram alcançar a projecção que haviam conseguido ao longo de mais de vinte anos de carreira. Agora, quando passam 25 anos sobre o início do projecto, os Madredeus parecem decididos a regressar em força.

Esta segunda-feira à noite, numa importante sala londrina, o Barbican, actuam ao vivo, iniciando uma digressão internacional que os conduzirá a vários palcos internacionais. O pretexto para esta série de actuações é o álbum Essência, mesmo agora editado, constituído pela regravação de uma série de clássicos da sua longa carreira. O grupo liderado por Pedro Ayres Magalhães nunca escondeu que o palco era o seu habitat natural e com esta nova aventura pretendem voltar demonstrá-lo com convicção.

sábado, 14 de abril de 2012

José Luís Peixoto estreia-se na escrita para os mais novos


O escritor José Luís Peixoto estreia-se na literatura para os mais novos com "A mãe que chovia", ilustrado por Daniel Silvestre da Silva, um livro sobre a maternidade e a ausência, explicou o autor à agência Lusa.
Doze anos depois da estreia literária, com "Morreste-me", um relato pessoal sobre a morte do pai, José Luís Peixoto escreveu uma prosa destinada a jovens sobre o abandono e sobre a maternidade, que no livro assume a forma da chuva.
A ilustração de Daniel Silvestre da Silva mostra, nas primeiras páginas, uma criança que foi deixada numa alcofa à porta de uma casa. É o "filho da chuva", que cresceu como "um rapaz esperto, composto por boa disposição e com a idade de mais ou menos", que encontrou na chuva a mãe que o acompanhará toda a vida.
A partir daí, escritor e ilustrador acompanham o crescimento deste rapaz, com a chuva e a água - em todos os seus estados - sempre presentes, em substituição da figura da mãe.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Poesia portuguesa em vozes venezuelanas...


Tal como programado realizou-se ontem o lançamento para o público português da antologia de Nidia Hernández sobre a poetisa Sophia de Mello.

A sessão, organizada pelo Instituto Português de Cultura (IPC) no Salão Nobre do Centro Português (CP), contou com a presença de vários jovens poetas venezuelanos: Francia Rosa Calzadilla, Inger Pedreáñez, María Alejandra Calzadilla, Eleonora Requena e José António Parra, que leram versos dessa voz maior da poesia portuguesa. Também participaram no recital Betty de Castro, do grupo teatral do CP e João da Costa Lopes, presidente do IPC, que estiveram acompanhados por José Carlos Rebelo, Director de Cultura do CP e pelo Cônsul-Geral de Portugal, que encerrou o acto.

Último livro de Tabucchi já chegou às livrarias

"O tempo envelhece de depressa", o último título de Antonio Tabucchi, escritor falecido em Lisboa no passado dia 25 de março, chega hoje às livrarias, com a chancela das Publicações D. Quixote.
A obra é uma antologia de nove contos, em que "todas as personagens parecem estar empenhadas numa confrontação com o Tempo", escreve a editora sobre o derradeiro livro de Tabucchi, que é editado quase 30 anos após o primeiro publicado em Portugal, em 1983, "A mulher de Porto Pim", também uma coletânea de contos.
A morte marca presença em alguns dos textos de "O tempo envelhece depressa", nomeadamente em "O círculo", cuja ação narrativa começa numa reunião familiar por ocasião do 10.º aniversário da morte do avô Josef, de Saint-Gall.