segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Há um documentário que desvenda parte da Lisboa romana por debaixo dos nossos pés

O documentário Fundeadouro Romano em Olisipo, de Raul Losada, inclui uma recriação em três dimensões da cidade na época romana. O ponto de partida para o trabalho foi uma notícia do PÚBLICO sobre escavações arqueológicas na Praça D. Luís I.
A descoberta de um fundeadouro romano no subsolo de Lisboa, feita pelos arqueólogos durante a construção de um parque de estacionamento na Praça D. Luís I, deu origem a um documentário. Com esta obra, que inclui uma recriação em três dimensões de Olisipo, Raul Losada quer dar a conhecer a cidade com cerca de dois milénios que se esconde debaixo dos nossos pés.
O documentário Fundeadouro Romano em Olisipo, apresentado como “um projecto de divulgação do património arqueológico”, foi exibido pela primeira vez em Outubro, no Museu Nacional de Arqueologia (MNA). Depois disso, o filme com 55 minutos foi também projectado na Ordem dos Arquitectos e no Museu Marítimo de Ílhavo.
A expectativa do autor do documentário é que ele venha a ser exibido por um canal de televisão português, mas enquanto isso não acontece sabe-se já que a recriação arqueológica virtual de Olisipo que foi produzida para o filme e um excerto do mesmo estarão patentes na exposição Lusitânia Romana - Origem de dois povos, que será inaugurada em Dezembro no MNA.

Hoje no Centro Português / Caracas....


Hoje,segunda-feira,  pelas 18:30,  estará no Espaço/Bar  A Nau do Centro Português, o escritor português José Luís Peixoto.

O autor de Morreste-me e de vários outros títulos que o identificam como uma das grandes figuras da literatura portuguesa contemporânea portuguesa está em Caracas com motivo dos XXX aniversário do Instituto Português de Cultura.


José Luís Peixoto (Galveias, 1974) tem  romances publicados em França, Itália Bulgária, Turquia, Finlândia, Holanda, Espanha, República Checa, Roménia, Croácia, Bielorrússia, Polónia, Brasil (onde acaba de estar para o lançamento da sua obra mais recente: Em teu ventre), Grécia, Reino UnidoEstados UnidosHungriaIsrael, etc. Estando traduzidos num total de 20 idiomas e sendo distribuídos em mais de 60 países. 

domingo, 29 de novembro de 2015

As Mil e Uma Noites entre os melhores do ano para osCahiers du Cinéma e a Sight & Sound

Filme de Miguel Gomes aparece em oitavo lugar na lista da publicação francesa e em quarto na da revista britânica, que também inclui, tal como há um ano, Cavalo Dinheiro, de Pedro Costa.
O filme em três volumes com que Miguel Gomes quis fixar, para memória futura, o Portugal desolador (mas ao mesmo tempo de encantar) dos anos da austeridade está entre os melhores do ano para duas das mais influentes publicações especializadas europeias. Na lista dos Cahiers du CinémaAs Mil e Uma Noites, que de resto fizeram a sua muito comentada estreia mundial no Festival de Cannes, aparecem em oitavo lugar; no ranking da Sight & Sound, a revista do British Film Institute, o tour-de-force do cineasta português sobe para a quarta posição, recolhendo os votos de 23 dos 168 críticos inquiridos. Também a Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro destacou Miguel Gomes pelo primeiro volume da sua trilogia, O Inquieto: é o terceiro melhor filme de 2015, aparecendo atrás de Mad Max: Estrada da Fúria, o blockbuster de George A. Miller que também se apresentou ao mundo em Cannes, e de Nightcrawler – Repórter na Noite, de Dan Gilroy. De resto, é agora oficial que o filme que ressuscitou a saga Mad Max faz parte do cânone: é o terceiro melhor do ano para a Sight & Sound, o quinto para os Cahiers.Filme de Miguel Gomes aparece em oitavo lugar na lista da publicação francesa e em quarto na da revista britânica, que também inclui, tal como há um ano, Cavalo Dinheiro, de Pedro Costa.

Amanhã no Centro Português / Caracas....


Amanhã, pelas 18:30,  estará no Espaço/Bar  A Nau do Centro Português, o escritor português José Luís Peixoto.

O autor de Morreste-me e de vários outros títulos que o identificam como uma das grandes figuras da literatura portuguesa contemporânea portuguesa está em Caracas com motivo dos XXX aniversário do Instituto Português de Cultura.


José Luís Peixoto (Galveias, 1974) tem  romances publicados em França, Itália Bulgária, Turquia, Finlândia, Holanda, Espanha, República Checa, Roménia, Croácia, Bielorrússia, Polónia, Brasil (onde acaba de estar para o lançamento da sua obra mais recente: Em teu ventre), Grécia, Reino UnidoEstados UnidosHungriaIsrael, etc. Estando traduzidos num total de 20 idiomas e sendo distribuídos em mais de 60 países. 

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Novo livro de Viale Moutinho...

Intitula-se Águas Negras o novo livro de José Viale Moutinho, editado pela Lápis de Memórias, de Coimbra. A obra será apresentada no próximo dia 27 (sexta-feira), às 21,30, no salão da Assembleia Municipal de Espinho, na Rua 23, usando da palavra o poeta e critico literário José Emilio-Nelson, para além do autor. No dia seguinte, sábado, pelas 16 horas, sobre a obra falará o prof. Pires Laranjeira, da Universidade de Coimbra, no auditório da Editora Lápis de Memórias, na Avenida de Fernão de Magalhães, em Coimbra.
               Este livro é um conjunto de contos, a maioria dos quais de ambiência portuense, que abre uma nova etapa na obra de José Viale Moutinho, iniciada em 1968 com a noveleta Natureza Morta Iluminada, que Luís Pacheco e Urbano Tavares Rodrigues saudaram de forma bastante entusiástica. O autor foi galardoado com o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco, da Associação Portuguesa de Escritores, bem como o Prémio Rosalia de Castro, do Pen Clube da Galiza, entre outros, e está traduzida em italiano, russo, castelhano, húngaro, romeno, búlgaro, alemão e publicada no Brasil.
Entre os seus livro mais destacados contam-se No Pais das Lágrimas e outros Contos, Romanceiro da Terra Morta, Cenas da Vida de um Minotauro, Los Moros, Pavana para Isabella de França, Destruição de um Jardim Romântico e Regresso ao Hotel Graben.

               Neste momento, estão a decorrer na Universidade de Viena, na Áustria, jornadas sobre a repercussão da cidade na literatura mundial, com a apresentação da obra Nach Wien!, onde figuram alguns contos de Viale Moutinho traduzidos e apresentados em alemão por Stefan Lessmann.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

"O fado é como a mãe dos portugueses"

Sobe ao palco do Campo Pequeno, em Lisboa, no mesmo dia em que se celebra o aniversário da consagração do fado a Património Cultural Imaterial da Unesco. Quão importante é para si a união destas datas?
Não foi planeado mas, de alguma maneira, acaba por fazer muito sentido o concerto neste dia. Celebrar o fado no coração de Lisboa, naquele que é o Dia Mundial do Fado e, ao mesmo tempo, apresentar o meu disco Canto como forma de agradecimento às pessoas que me viram crescer como pessoa, como artista e que ainda me ajudam a crescer.

O que mudou desde então?
As pessoas ficaram mais despertas. Mas não acho que seja essa a razão que contribui para o fado estar como está, até porque o facto de o fado ter sido consagrado património resulta de um trabalho que vem desde as gerações passadas. Cabe-nos a nós continuar a representá-lo e a respeitá-lo.



segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A história de Portugal dentro de muralhas.

Património da Humanidade com muito que contar. Da bisavó de Vasco da Gama ao COPCON. Reabre na sexta-feira após obras
Em 1763 foram precisos quase "30 anos, seis mil homens, quatro mil animais e 120 mil moedas de ouro" para erguer o Forte de Nossa Senhora da Graça, em Elvas, recorda o historiador Rui Jesuíno. Em 2015, foram precisos quase 11 meses, 220 trabalhadores a tempo inteiro e 6,1 milhões de euros para o restaurar e reabilitar a tempo de, na próxima sexta-feira, dia 27, reabrir as suas portas ao público. E, ao que ali poderá então ser visitado, a UNESCO chama Património Mundial da Humanidade desde 2012. Ano em a Cidade-Quartel Fronteiriça de Elvas e suas Fortificações (entre elas os fortes da Graça e de Santa Luzia) obtiveram tal classificação.
Concebido pelo Conde de Lippe (Friedrich Wilhelm Ernst Von Shaumburg-Lippe), um inglês convidado por Marquês de Pombal a reorganizar o exército português, o enorme forte foi primeiramente construído para proteger a cidade dos espanhóis que, durante a Guerra da Restauração (1641-1668) ali construíram uma fortificação no âmbito do cerco das Linhas de Elvas. A zona onde o forte viria a ser construído representava, por isso, um lugar através do qual a cidade poderia facilmente ser bombardeada.

Cinema: Interessa-me aproximar-me de uma raiz mitológica da adolescência...



Este é o território de João Salaviza: a adolescência, as assombrações que não se conseguem nomear, o desejo, a morte. E em Montanha, estreia na longa-metragem do realizador de 31 anos, tudo isso está próximo de uma raiz mitologica.
Montanha, primeira longa-metragem de João Salaviza, retoma com outro fôlego vários elementos que já conhecíamos das suas curtas-metragens, Arena (2009, Palma de Ouro em Cannes) ou Rafa (2012, Urso de Ouro em Berlim): o olhar sobre a adolescência, mas também a sua articulação com o espaço urbano, com a descoberta da cidade, num confronto entre a imanência daquelas presenças - as humanas, como os miúdos ou a personagem da mãe - e as assombrações que naquela idade ainda não se conseguem nomear - a morte, as primeiras manifestações do desejo.


domingo, 22 de novembro de 2015

Salaviza e a Montanha

No seu novo filme Montanha, o cineasta português João Salaviza regressa à adolescência, tema de duas das suas curtas-metragens, Arena e Rafa.http://bs.serving-sys.com/BurstingPipe/adServer.bs?cn=tf&c=19&mc=imp&pli=13585068&PluID=0&ord=181347849&rtu=-1
Gosto sobretudo de Rafa: um adolescente descobre que a mãe está presa e decide deixar a Margem Sul na mota de um amigo. O seu destino é a esquadra da polícia onde a mãe está detida, na esperança de a poder trazer de volta. Com uma fotografia belíssima, Rafa traz-nos a vida de muitos jovens da outra margem, a viverem um quotidiano de tédio, onde a família e a escola há muito deixaram de ter o papel de referência com que costumamos enquadrar a adolescência.
Em Montanha, Salaviza vai mais longe. David tem 14 anos e vê a mãe chegar de Londres, porque o seu avô materno está no hospital. O filme mostra como David deambula pelo bairro dos Olivais, recusa a escola e vive as emoções da adolescência, sem que um adulto apareça a conferir o percurso para a definição da sua identidade.


sexta-feira, 20 de novembro de 2015

'Leão da Estrela' aponta a 200 mil


Nova versão do clássico estreia no dia 26. Por Leonardo Ralha PERGUNTA CM Está interessado em ver a nova versão do 'Leão da Estrela'? SIM NÃO Depois de a sua versão de ‘O Pátio das Cantigas’ ter levado 603 739 pessoas aos cinemas, tornando-se o filme nacional mais visto desde que existem estatísticas oficiais, Leonel Vieira disse esta segunda-feira que espera um mínimo de 200 mil espectadores para ‘O Leão da Estrela’, que vai estrear no dia 26. "Não é obrigatório que todos os filmes que faço tenham de chegar aos 600 mil espectadores. A minha vida seria fantástica, mas não é possível. Acredito claramente que o filme vá passar dos 200 mil, e depois veremos até onde consegue chegar", afirmou o realizador e produtor ao CM, numa sessão de entrevistas com a equipa responsável pela nova versão do clássico de 1947.
Neste ‘O Leão da Estrela’, o Anastácio, interpretado por Miguel Guilherme (noutro papel de António Silva, depois do Evaristo de ‘O Pátio das Cantigas’), é um adepto fanático dos Leões de Alcochete, que arrasta a família para o Alentejo para ver um jogo da liga dos últimos contra o Barranco dos Infernos. Aos veteranos do primeiro filme Dânia Neto, Sara Matos e Aldo Lima juntam-se Alexandra Lencastre, José Raposo, Manuela Couto, André Nunes e Ana Varela. "Levei este filme a um grau acima de ‘O Pátio das Cantigas’", promete Leonel Vieira. In Correio da Manhã.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Cinema: "Mil e uma noites"nomeado para os Goya

"O desolado", o segundo volume de "As mil e uma noites", de Miguel Gomes, está entre os 14 filmes nomeados para Melhor Filme Ibero-americano, dos Prémio Goya, do cinema espanhol, a entregar em fevereiro.

O filme de Miguel Gomes, foi proposto pela Academia Portuguesa de Cinema para o prémio de Melhor Filme Ibero-americano, no passado mês de setembro.
O filme "Que horas ela volta?", da brasileira Anna Muylaert, com estreia marcada para 02 de dezembro, nas salas portuguesas, é outro dos nomeados, assim como "El clan", uma produção argentina, e "La once", do Chile.
"La tierra y la sombra" (Colômbia), "Presos" (Costa Rica), "Vestido de novia" (Cuba), "La Tirisia" (México), "La pantalla desnuda" (Nicarágua), "El tiempo nublado" (Paraguai), "Magallanes" (Peru), "La gunguna" (República Dominicana), "Una noche sin luna" (Uruguai) e "Lo que lleva el río" (Venezuela) são os outros nomeados.


Um belo filme

O primeiro filme de João Pedro Plácido, Volta à Terra, é uma maravilha. É um documentário que nos mostra pessoas que são luminosas, sagazes, imprevisíveis - e verdadeiras.

O filme está tão bem filmado e montado e conta as histórias que escolheu com tanta emoção que nos deixamos alegremente manipular.
A aldeia minhota de Uz parece existir como a Rimini de Fellini em Amarcord, só que existe mesmo assim. As ovelhas são tosquiadas com tesouras. Leva uma eternidade mas as ovelhas, pacientes, agradecem.
Plácido tem as raízes familiares em Uz e consegue filmar os habitantes como se não estivessem a ser observados. Foi lá filmar várias vezes (até durante um nevão) mas só aproveitou os bocados mais bonitos, interessantes e engraçados.
Volta à Terra faz rir - e muito. Não é um riso cruel e distante: é um riso cúmplice e deliciado. Plácido escolheu as conversas e as exclamações mais desconcertantes e encantadoras. Mostra o que é a liberdade rabugenta, estóica e espirituosa daquelas pessoas que tivemos a sorte de conhecer.


quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Se o fado se canta e chora, também se pode dançar

O novo álbum de Ana Moura é um disco livre onde o fado coabita com os mais diversos estímulos. Como ela nos diz: “Sou uma mistura”
O seu último álbum, Desfado (2012), universalizou-a, constituindo o maior sucesso dos últimos anos da música portuguesa. Ana Moura, 36 anos, com trajecto iniciado na alvorada dos anos 2000, é hoje provavelmente a fadista mais reconhecida entre e fora de portas.
Nesse contexto o seu sexto e novo álbum, Moura, que chegará às lojas a 27 de Novembro, poderá representar responsabilidades acrescidas, mas ela sorri quando lhe lançamos a questão. “Não sinto isso. Com o anterior álbum conquistei a grande liberdade de gravar o que me apetece sem pensar se as pessoas se vão sentir identificadas ou não. Claro que desejo que isso suceda – e felizmente aconteceu, mas não penso muito nisso e esse despreendimento constituiu uma enorme conquista para mim.”

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Letras de Ciudad CCS: José Saramago


O suplemento literário Letras CCS, que circula com o jornal venezuelano Ciudad CCS, publicou, no passado 15 de Novembro um extenso texto sobre o escritor José Saramago (1922-2010),

A nota ocupa metade do suplemento e foi publicada como homenagem ao Nobel, com ocasião da passagem do seu dia de natalício.


O texto em questão, cuja leitura recomendamos vivamente, tem honras de primeira página.

Ana Dias. A fotógrafa portuguesa que é estrela da 'Playboy'

A artista foi convidada pela revista norte-americana para criar um webshow sobre as suas aventuras enquanto fotógrafa. Conheça o percurso desta portuense de gema, fascinada pelo corpo feminino, por Portugal e, claro, por Hugh Hefner
"A minha paixão pela fotografia começou muito cedo. Lembro-me exatamente da primeira foto que tirei. A câmara era ainda uma analógica e a minha mãe serviu de cobaia. Foi em 1989, tinha eu 5 anos, e foi uma grande vitória ter conseguido enquadrar a minha mãe na foto sem lhe cortar os pés ou a cabeça." Estava dado o tiro de partida para Ana Dias. Hoje, aos 31 anos, é colaboradora da revista Playboy em 18 países. "Portugal, Holanda, França, Itália, Alemanha, Grécia, Sérvia", para nomear apenas alguns.



segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Souto de Moura cria projeto de auditório para a Santa Casa


O arquiteto Eduardo Souto de Moura criou um projeto para construir um auditório junto à sede da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que, a ser aprovado, deverá tornar-se a grande obra do prémio Pritzker, na capital do país. "Quando se começa, não se sabe bem o que vai surgir, mas estou entusiasmado com o resultado", disse o arquiteto à agência Lusa, indicando que o projeto entra na segunda-feira, na Câmara Municipal de Lisboa, para pedir o licenciamento. O convite partiu do provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), Pedro Santana Lopes, que pediu a Souto de Moura para criar um auditório no complexo de São Roque, onde se encontram os serviços centrais e a sede daquela instituição.



Mísia apresenta álbum de tributo a Amália Rodrigues


Mísia apresenta este sábado, no Cinema S. Jorge, em Lisboa, o seu novo álbum, uma homenagem a Amália Rodrigues (1920-1999), no qual interpreta, entre outros, "Prece", "Rosinha da serra d'Arga" e "À janela do meu peito". O álbum, um duplo CD, intitulado "Para Amália", é constituído por temas do repertório Amaliano como "Amor sem casa", "Tive um coração, perdi-o", "Vagamundo", "Rasga o passado" e "María la portuguesa", e temas originais de autoria da própria Mísia, de Amélia Muge, Mário Cláudio e Tiago Torres da Silva, inspirados na diva. Em declarações à Lusa, Mísia afirmou que este era "um projeto que há muito tempo tinha em mente", tendo referido que fez um "caminho inverso ao que se costuma fazer, que é começar cantando temas da Amália", apesar de "pontualmente ter cantado" e gravado temas da fadista, como "Lágrima" ou "Fado do ciúme".


Retrospetiva integral de Oliveira até 12 de dezembro


Começa, esta terça-feira, o ciclo de cinema Grande Plano que vai apresentar, no Porto, toda a obra cinematográfica de Manoel de Oliveira, em 38 sessões, no teatros municipais Rivoli e Campo Alegre, no auditório do Museu de Serralves e no Cinema Passos Manoel.
Esta retrospetiva integral de homenagem, que estará patente até 12 de dezembro, será "a oportunidade para descobrir ou rever todos os filmes de Oliveira, por ordem cronológica e nos seus suportes originais", esclareceu a Câmara do Porto.
Primeira realizada a título póstumo, esta retrospetiva é uma iniciativa do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal do Porto, co-organizada com a Fundação de Serralves e contando, ainda, com a participação de outros agentes culturais da cidade.
"Os que tiveram o privilégio de ser contemporâneos de Manoel de Oliveira terão agora também a oportunidade (e a responsabilidade) de conhecer toda a sua obra, que é de todos e que a todos diz ou dirá respeito", afirma, em comunicado, o consultor do ciclo, António Preto.


domingo, 15 de novembro de 2015

França: Encontros com o escritor José Jorge Letria incentivam a leitura

No âmbito do Plano de Incentivo à Leitura do Camões, I.P.,  dias 12, 13 e 14 de novembro de 2015, o escritor José Jorge Letria, referência da Literatura Infantojuvenil Portuguesa, deslocou-se a Paris e Tours para contactar com alunos da rede de Ensino Português no Estrangeiro, da Coordenação do Ensino Português em França/Camões, I.P., docentes de Português e comunidade em geral.
O primeiro dia da sua visita, 12 de novembro, foi nas Secções Internacionais Portuguesas de Saint-Germain-en-Laye e Chaville, onde será recebido por jovens leitores para colocar questões e mostrar os trabalhos realizados a partir de leituras que fizeram de obras do autor.
No dia 13 de novembro, pela manhã, o escritor esteve na Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, para um encontro com professores de Português, onde serão abordadas questões ligadas à promoção da leitura em Português e à Literatura Infantojuvenil.

Já no dia 14 de novembro, o autor estará em Tours, numa visita à Universidade, onde será recebido por professores e alunos daquele estabelecimento de ensino e, à tarde, estará com alunos dos Cursos ELCO e respetivas famílias, num momento que promete ser repleto de partilhas. In Instituto Camões. 

sábado, 14 de novembro de 2015

Dá para tudo e ainda mais...Madonna cita Fernando Pessoa

Frase do poeta português registou mais de 41 mil gostos no Instagram da cantora norte-americana Madonna.
"Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugna-la-íamos se a tivéssemos. O perfeito é o desumano porque o humano é imperfeito". Esta foi a frase de Fernando Pessoa tirada do "Livro do desassossego" que Madonna escolheu para partilhar esta segunda-feira na sua conta oficial de Instagram.
Os fãs portugueses da cantora ficaram em êxtase deixando várias mensagens de apreço pela sua escolha e reclamam o seu regresso a Portugal. Na digressão europeia de Rebel Heart, que se extende até 20 de dezembro, não está prevista a passagem por Portugal. Madonna está terça e quarta-feira em Berlim.


Doze portugueses no Paris Photo


As obras de vários fotógrafos portugueses estão expostas a partir desta quinta-feira no Paris Photo, salão internacional de fotografia, no Grand Palais, na capital francesa.
A 19.ª edição do Paris Photo vai contar com 147 galerias de 34 países, devendo ser expostas fotografias de 1.240 artistas, entre os quais dos portugueses Helena Almeida, Edgar Martins, João Tabarra, Pedro Barateiro, João Penalva, Didier Faustino, Carla Cabanas, Noé Sendas, Paulo Nozolino, Armindo Cardoso e Gérard Castello-Lopes.
No Grand Palais vão também estar à venda fotografias dos angolanos Kiluanji Kia Henda, Edson Chagas e Jean Depara, do moçambicano Filipe Branquinho e dos brasileiros Sebastião Salgado e Vik Muniz.

Presente no Paris Photo desde 2010, a galeria Filomena Soares vai apostar mais uma vez nos trabalhos dos portugueses Helena Almeida, João Tabarra, Pedro Barateiro, João Penalva, Didier Faustino e do angolano Kiluanji Kia Henda, entre outros artistas internacionais.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Valter Hugo Mãe e Chico Buarque entre os finalistas do Prémio Oceanos

O prémio será entregue no dia 8 de Dezembro no Auditório Ibirapuera, em São Paulo.
O escritor português Valter Hugo Mãe, com o romance A Desumanização, e o brasileiro Chico Buarque, com o romance O Irmão Alemão, estão entre os 14 finalistas do Oceanos - Prémio de Literatura em Língua Portuguesa, divulgou esta quarta-feira a organização.
O galardão, que substitui a partir deste ano o Prémio Portugal Telecom, é co-organizado pelo Itaú Cultural e tem como curadora a produtora cultural brasileira Selma Caetano.
Valter Hugo Mãe e Chico Buarque vencedoram o prémio Portugal Telecom, em 2012 e 2010, respectivamente.
Este ano o Prémio Oceanos não se dividirá em categorias, mas será entregue aos quatro primeiros colocados, que receberão, respectivamente, 100 mil reais (28.600 mil euros), 60 mil reais (17.200 euros), 40 mil reais (11.400 euros) e 30 mil reais (8.500 euros).

Bom Povo Português viaja até Moçambique

Maputo e Inhambane vão receber entre 17 e 28 de Novembro uma mostra de cinco longas-metragens do cineasta português com temáticas ligadas à relação entre Portugal e os PALOP.
Ao longo de duas semanas, o veterano documentarista português Rui Simõesvai estar em viagem por Moçambique no âmbito de um projecto intitulado Cruzamentos Cinematográficos
O célebre cinema Scala de Maputo e o cinema Tofo de Inhambane vão receber entre 17 e 28 de Novembro uma mostra de cinco longas-metragens do cineasta português com temáticas ligadas à relação entre Portugal e os PALOP, começando pelo Bom Povo Português de 1980 que é, ainda hoje e a par de Deus Pátria Autoridade, o título emblemático de Simões.
Os outros filmes a serem projectados são Ilha da Cova da Moura (2010),Kola San Jon é Festa de Cau Berdi (2011), Guerra ou Paz (2012) e Ole António Ole (2013). A iniciativa, organizada pela produtora de Simões, Real Ficção, e pela exibidora de Maputo Promarte, estender-se-á à passagem dos filmes na televisão moçambicana, e cada uma destas longas será complementada por uma curta-metragem portuguesa, escolhida pela equipa do Festival de Curtas-Metragens de Nova Iorque.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

“A Viagem do Elefante” publicado na Feltrinelli, em Itália

A editora italiana Feltrinelli acaba de dar à estampa o romance A Viagem do Elefante, com a tradução habitual de Rita Desti, continuando, assim, a publicação da obra de José Saramago, neste que é o 21º título da coleção Universal Economica.


O Livro: Em meados do século XVI o rei D. João III oferece a seu primo, o arquiduque Maximiliano da Áustria, genro do imperador Carlos V, um elefante indiano que há dois anos se encontra em Belém, vindo da Índia.
Do facto histórico que foi essa oferta não abundam os testemunhos. Mas há alguns. Com base nesses escassos elementos, e sobretudo com uma poderosa imaginação de ficcionista que já nos deu obras-primas como Memorial do Convento ou O Ano da Morte de Ricardo Reis, José Saramago coloca nas mãos dos leitores esta obra excecional que é A Viagem do Elefante.


terça-feira, 10 de novembro de 2015

Em Teu Ventre, entrevista de José Luís Peixoto / Visão...


“Em Teu Ventre” é um livro muito centrado em outras figuras femininas. Além da irmã Lúcia, há também a sua mãe biológica e Nossa Senhora. É um livro a várias vozes?
Sinto que este livro acaba por ter duas dimensões. Uma é mais colectiva, enquanto português, e alguém que está muito marcado por esta história que, sendo do mundo, é muito particularmente nossa. A outra é mais individual. Acaba por ser centrada na questão das mães. Existem diversas no livro. Nomeadamente a mãe biológica de Lúcia, a Mãe Nossa Senhora, Mãe de Jesus e depois uma outra figura que é muito curiosa e à qual eu não resisti e que introduz um elemento literário, que é a mãe do autor. Esta é, ironicamente, a mãe mais ficcional do livro porque não tem grande ligação com a minha própria mãe. Ela é a mãe crítica, consciência, é quase a voz que nós temos na nossa cabeça quando nos preparamos para fazer alguma coisa e temos dúvidas.
(...)
Sentiu o peso da responsabilidade de estar a tocar num assunto como Fátima? Foi maior a exigência para o escritor?
Sem dúvida alguma que sim. Aliás, a nível pessoal talvez tenha sido esse o maior desafio presente na escrita deste livro. Trata-se de algo muito precioso para milhões de pessoas e que em momento nenhum tive a intenção de melindrar, pelo contrário! O meu interesse com este livro foi sempre lançar luz sobre o assunto, contribuir modestamente para o esclarecimento e para uma reflexão colectiva. Ao mesmo tempo, contribuir para uma vivência deste tema de um modo mais sólido que tenha também esta ajuda de todo este mundo contido nestas páginas.


Jovens portugueses vencem ouro, prata e bronze nas Olimpíadas

Alunos do ensino secundário estavam a representar Portugal nas Olimpíadas de Porto Rico

Quatro jovens da equipa portuguesa ganharam medalhas de ouro, prata e bronze nas Olimpíadas Ibero-Americanas de Matemática (OIAM), que terminam sábado na cidade porto-riquenha de Mayagüez.

"Francisco Andrade alcançou um resultado brilhante, com pontuação máxima, conquistando uma medalha de ouro, à semelhança do que havia conseguido o ano passado nas Honduras", contou à Lusa a Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM).



segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Chile: 9ª Mostra de Cinema Iberoamericano com dois filmes portugueses em cartaz


Com o apoio o Leitorado do Camões, I.P. no Chile e a Embaixada de Portugal naquele país, a 9ª Mostra de Cinema Iberoamericano, que decorre na cidade de Santiago do Chile entre 5 e 15 de novembro de 2015, contará com a presença de dois filmes portugueses.
As películas “O Cônsul de Bordéus”, de João Corrêa e Francisco Manso, e “O Estranho Caso de Angélica”, de Manoel de Oliveira serão os filmes portugueses em cartaz nesta mostra.
Esta 9ª edição da mostra decorrerá em quatro locais na capital chilena, nomeadamente na Cinemateca Nacional no Centro Cultural La Moneda (sede oficial), o Teatro Municipal de Maipú, o Centro Cultural San Joaquin e o Centro Cultural El Bosque. O evento terá também uma itinerância por outras regiões do Chile.
Os filmes portugueses estarão em exibição, com entrada livre, nestes dias e locais:
O Cônsul de Bordéus
O Estranho Caso de Angélica


domingo, 8 de novembro de 2015

Nova edição holandesa de “Ensaio sobre a Lucidez”

Dez anos após a sua primeira edição, e no âmbito da renovação gráfica dos livros de José Saramago, a editora Meulenhoff acaba de reeditar o romance Ensaio sobre a Lucidez, numa tradução de Maartje de Kort.

Com esta nova linha gráfica, a editora já reeditou cinco títulos de José Saramago: Ensaio sobre a Cegueira,O Homem Duplicado, As Intermitências da Morte e Claraboia, bem como uma edição conjunta de Ensaio sobre a Cegueira e de Ensaio sobre a Lucidez.
O livro: Num país indeterminado decorre, com toda a normalidade, um processo eleitoral. No final do dia, contados os votos, verifica-se que na capital cerca de 70% dos eleitores votaram em branco. Repetidas as eleições no domingo seguinte, o número de votos brancos ultrapassa os 80%. Receoso e desconfiado, o governo, em vez de se interrogar sobre os motivos que terão os eleitores para votar em branco, decide desencadear uma vasta operação policial para descobrir qual o foco infeccioso que está a minar a sua base política e eliminá-lo. E é assim que se desencadeia um processo de rutura violenta entre o poder político e o povo, cujos interesses aquele deve supostamente servir e não afrontar.


Itália: Portugal volta a marcar presença em Festival de cinema em Florença


 “Uma casa portuguesa em Florença” é a marca portuguesa na 37ª edição do “Festival di Cinema e Donne” que decorrerá em Florença, de 5 a 10 de novembro 2015, uma sessão deste festival desenvolvida com o apoio do Camões, I. P. em colaboração com a Embaixada de Portugal em Itália.
O tema deste ano tem por base as mudanças no mundo do trabalho e a alteração dos papéis tradicionalmente atribuídos.
Exploram-se os temas da precariedade e da falta de rumo presentes nas várias fases da vida, cada vez menos caracterizada pela segurança e continuidade.
São três os filmes portugueses apresentados neste festival: Os Prisioneiros, de Margarida Madeira; Provas e Exorcismo, de Susana Nobre e ainda Vida Ativa desta realizadora.


sábado, 7 de novembro de 2015

Lisbon & Estoril Film Festival arranca esta sexta-feira

Arranca esta sexta-feira, no Casino do Estoril, a nona edição do Lisbon & Estoril Film Festival (LEFFEST). Aquele que é já considerado o maior festival de cinema de Portugal volta a trazer, como já vem sendo habitual, grandes nomes da sétima arte ao nosso país. Desta vez, estão garantidas as presenças dos cineastas Wim Wenders, Jonathan Demme, Nanni Moretti e David Gordon Green, bem como dos atores Bruno Ganz e Louis Garrel, entre muitos outros. Na sessão de arranque, às 19h00, será exibido o filme ‘Profissionais da Crise’, protagonizado por Sandra Bullock e Joaquim de Almeida. 
Depois, serão projetados ‘Minha Mãe’, de Nanni Moretti, às 19h30, e ‘Anomalisa’, de Charlie Kaufman, às 22h00, ambos no Cinema Medeia Monumental

Correio da Manhã. 

José Luís Peixoto em P&R...



Como motivo da vinda a Caracas do autor José Luís Peixoto para as jornadas do XXX aniversário do Instituto Português de Cultura (IPC), lançamos um concurso de Perguntas & Respostas no qual poderão participar todos os interessados.

Participe, conheça mais sobre esta figura fundamental da literatura portuguesa contemporânea e habilite-se a ganhar um prémio de Bs. F. 5.000,00.
É fácil e não custa nada!


Descarregue o questionário na pestana JLP, respondas as perguntas do mesmo e entregue-o, até 15 de Novembro, nas instalações do IPC, no Centro Português (Caracas)

Faltam 557 mil euros para “pôr o Sequeira no lugar certo

A campanha é inédita e os portugueses (e não só) parecem estar muito curiosos: 1996 já se tornaram patrocinadores, entre 1968 particulares e 28 empresas.
O Museu Nacional de Arte Antiga lançou no dia 27 de Outubro umaoperação de angariação de fundos destinada a motivar instituições, empresas e cidadãos para a compra da Adoração dos Magos, de Domingos Sequeira, que é por muitos considerada uma obra-prima da pintura portuguesa do século XIX.
Muitos foram já os que aderiram a esta iniciativa, que é também do PÚBLICO, da Direcção-Geral do Património Cultural e do próprio Governo. Na primeira semana, e segundo dados do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), as contribuições ultrapassaram os 43 mil euros - exactamente 43.117, 86 euros -, o que corresponde a 7% do valor total da obra.