sábado, 30 de novembro de 2013

Esta noite: Andrea Imaginario em Pessoa...

       
Com motivo do seu XXVIII aniversário de actividades na divulgação do patrimônio cultural português na Venezuela, o Instituto Português de Cultura apresenta o recital musical Andrea Imaginario em Pessoa com poema do poeta português mais famoso do século XX.

O evento, durante o qual será baptizado um disco editado com motivo de efeméride,  terá lugar no Salao Nobre do Centro Português (Caracas) e começara às 20 h. do dia 30 de Novembro, dia da fundação do IPC, que coincide com a morte de Fernando Pessoa, o poeta dos heterónimos.
No final do acto será servido um Porto de Honra.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

André Gago recria os últimos dias de Pessoa




André Gago concebeu, a partir do livro homónimo do escritor italiano Antonio Tabucchi, ‘Os Três Últimos Dias de Fernando Pessoa. Um Delírio’, espetáculo que se estreia esta quarta-feira no palco principal do Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa, no âmbito das celebrações dos 125 anos no nascimento do poeta português.

“Cruzamento entre a biografia e a ficção, entre a realidade e a literatura”, este projeto recria os últimos dias de Pessoa, quando, internado no hospital, recebe a visita dos seus heterónimos.

Um a um, Álvaro de Campos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Bernardo Soares e António Mora visitam Pessoa no leito de morte “e discutem, terna mas afincadamente, as suas diferentes visões do mundo”.

Com cenário de Isabel Worm e figurinos de José António Tenente, o espetáculo conta com interpretações de Alberto Magassela, Carlos António, Carlos Marques, Eurico Lopes, José Neves, Maria João Falcão e Vitor D’Andrade.

Amanhã: Andrea Imaginario em Pessoa...


        
Com motivo do seu XXVIII aniversário de actividades na divulgação do patrimônio cultural português na Venezuela, o Instituto Português de Cultura apresenta o recital musical Andrea Imaginario em Pessoa com poema do poeta português mais famoso do século XX.

O evento, durante o qual será baptizado um disco editado com motivo de efeméride,  terá lugar no Salao Nobre do Centro Português (Caracas) e começara às 20 h. do dia 30 de Novembro, dia da fundação do IPC, que coincide com a morte de Fernando Pessoa, o poeta dos heterónimos.
No final do acto será servido um Porto de Honra.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Bollywood investe 5,5 milhões de euros em Portugal




Portugal foi escolhido para gravar um filme de Bollywood já em 2014, num investimento que indiano de 5,5 milhões de euros da Real Image, líder mundial no cinema digital. As filmagens estão previstas arrancar em Maio e vão ficar a cargo do produtor Arvind Ranganathan.

Artur Curado, presidente da Picture Portugal, foi quem, no início do ano, protagonizou a assinatura de um memorando de entendimento com a empresa cinematográfica. durante uma visita à Índia do então ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas.

A produção de um filme indiano em Portugal é vista como uma excelente forma de promover o país na Índia, um mercado onde as pessoas têm cada vez mais poder de compra e vontade de viajar. "A publicidade mais barata é um filme que tenha divulgação no mundo inteiro", sublinha.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Alexandra Lucas Coelho vence Grande Prémio de Romance da APE




O romance E a Noite Roda de Alexandra Lucas Coelho (Tinta da China) é o vencedor do Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (APE) relativo a 2012. O prémio, que tem o valor de 15 mil euros e é co-promovido pela Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, foi atribuído por unanimidade.

José Correia Tavares, Ana Marques Gastão, Clara Rocha, Isabel Cristina Rodrigues, Luís Mourão e Manuel Gusmão compuseram o júri, que já se reunira por duas vezes antes de tomar uma decisão final, esta segunda-feira.

E a Noite Roda, história de amor entre uma jornalista catalã – Ana Blau, a narradora – e um jornalista belga, batia-se com mais cinco finalistas:O Varandim seguido de Ocaso em Carvangel, de Mário de Carvalho, Jesus Cristo Bebia Cerveja, de Afonso Cruz, A Rapariga Sem Carne, de Jaime Rocha, e O Banquete, de Patrícia Portela.

(...)

Licenciada em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa e várias vezes premiada enquanto repórter – recebeu designadamente o Grande Prémio Gazeta, em 2005 –, Alexandra Lucas Coelho disse à Lusa, por ocasião do lançamento deste livro, que “o que diferencia o jornalismo da literatura, é a possibilidade de fazer com os materiais tudo o que quiser”, mas que o que continua a movê-la é o mesmo interesse pelo real que a levou ao jornalismo.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Esperanza Fernández apresenta em Madrid disco de flamenco com poemas de José Saramago


         

  A cantadora de flamenco Esperanza Fernández apresenta hoje em Madrid, no Teatro Fernán Gómez, o disco "Mi voz en tu palavra", com poemas de José Saramago, no quadro da IX Mostra Portuguesa. O diretor musical do projeto é o compositor e pianista David Peña Dorantes que já tinha criado obras com base em textos de Gabriel García Márquez para a voz de Lebrijano. 'A ti regreso mar', 'Alzo una rosa' o 'En esta esquina del tiempo' são alguns dos temas que compõem este novo álbum de Esperanza Fernández, que, além das obras de Dorantes, conta com composições de José Miguel Évora e Luis Pastor. Este é o terceiro álbum a solo da sevilhana Esperanza Fernández.
          Os músicos que participaram na gravação do disco são Miguel Ángel Cortés, Eduardo Trassierra e Salvador Gutiérrez (guitarras), Yelsy Heredia (baixo), Raúl Rodríguez (tres cubano), Jorge Pérez e José Pérez (percussões), e Los Mellis (coros), entre outros.

Nov. 30 – XXVIII Aniversário IPC



Com motivo do seu XXVIII aniversário de actividades na divulgação do patrimônio cultural português na Venezuela, o Instituto Português de Cultura apresenta o recital musical Andrea Imaginario em Pessoa com poema do poeta português mais famoso do século XX.
O evento, durante o qual será baptizado um disco editado com motivo de efeméride,  terá lugar no Salao Nobre do Centro Português (Caracas) e começara às 20 h. do dia 30 de Novembro, dia da fundação do IPC, que coincide com a morte de Fernando Pessoa, o poeta dos heterónimos.
No final do acto será servido um Porto de Honra.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Suécia vai ter festival de cinema português


A Suécia acolhe, a partir de dia 25 de novembro, o Frames, o primeiro festival no país dedicado ao cinema contemporâneo português, que incluirá filmes de realizadores como Miguel Gomes, Gonçalo Tocha, João Nicolau e João Salaviza.
 
A mostra em Estocolmo “será uma oportunidade única para dar a conhecer melhor ao público sueco alguns dos filmes do novo cinema português”, afirma a associação cultural Zero em Comportamento, uma das entidades organizadoras.
O festival, dirigido por Carlos Pereira e Fernanda Torre, decorrerá de 25 a 30 de novembro, exibindo mais de uma dezena de filmes, entre ficção e documentário, incluindo uma pequena secção dedicada ao público infantil.
Entre os filmes escolhidos estão ‘Aquele Querido Mês de Agosto’, de Miguel Gomes; ‘Morrer como um Homem’, de João Pedro Rodrigues; e os documentários ‘É na Terra não é na Lua’, de Gonçalo Tocha; e ‘Terra de Ninguém’, de Salomé Lamas.
A estes juntam-se ainda as três curtas-metragens de João Salaviza (‘Arena’, ‘Cerro Negro’ e ‘Rafa’); ‘Rapace’, de João Nicolau; ‘O Nosso Homem’, de Pedro Costa; e ‘Liberdade’, de Gabriel Abrantes.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Eduardo Lourenço vence prémio Jacinto do Prado Coelho



O ensaísta Eduardo Lourenço venceu o prémio Jacinto do Prado Coelho pela obra "Tempo da música. Música do tempo", revelou hoje à Lusa fonte do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários.

O prémio, no valor de cinco mil euros e que distingue ensaios literários, foi atribuído por unanimidade a Eduardo Lourenço, por uma obra, publicada em 2012, que reúne textos inéditos de Eduardo Lourenço seleccionados pela historiadora de arte e musicóloga Barbara Aniello.

O júri, composto por Clara Rocha, Maria João Reynaud e Teresa Martins Marques, justificou a escolha pela "qualidade indiscutível da obra, reconhecida por pessoas da área da literatura bem como da musicologia".

O prémio será entregue na quinta-feira, às 18:30, na Sociedade Portuguesa de Autores, em Lisboa.

"Tempo da música. Música do tempo" reúne 212 reflexões (datadas entre 1948 e 2006) de Eduardo Lourenço sobre música, que estavam dispersas em folhas avulsas, em agendas de bolso, páginas soltas ou agrafadas, algumas encontradas dentro de livros, que Barbara Aniello foi juntando, inventariando e catalogando no espólio do ensaísta.

Colóquio sobre Almada Negreiros reúne 50 investigadores




Meia centena de investigadores vai participar, a partir de hoje, no Colóquio Internacional Almada Negreiros, que decorrerá até sexta-feira na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, para assinalar os 120 anos do nascimento do autor multifacetado.

No decurso de 2013 também se celebram os cem anos da primeira exposição deste criador, nascido em 1893 e falecido em 1970, considerado referência da arte portuguesa do século XX.

O colóquio internacional é organizado pelo Projecto Modernismo Online, o Instituto de Estudos de Literatura Tradicional (IELT) e o Instituto de História de Arte (IHA) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Almada Negreiros destacou-se em diversas áreas artísticas, da pintura e do desenho à dança e ao teatro, da escrita à crítica de arte, e deixou um vasto legado vanguardista que ainda está a ser estudado pelos especialistas.

Presépio de Santa Maria da Feira entra para o Guinness




O presépio de S. Paio de Oleiros, em Santa Maria da Feira, entrou este domingo para o Guinness como o maior em movimento do mundo. A produção portuguesa superou em 162 peças à mesma escala o recorde até agora detido pelo México.

Apesar de constituído por cerca de 7.500 peças, na avaliação da autoridade mundial no registo de recordes foram apenas considerados aqueles elementos com uma altura média de 20 centímetros e que estavam estritamente relacionados com a história do nascimento de Cristo.

Com uma dimensão de 3.500 metros quadrados, o 'Presépio da Cavalinho' conseguiu bater o recorde mesmo deixando de fora componentes 'kitsh' como comboios, ciclistas e réplicas de Amália. Pravin Patel, júri britânico do Guinness, que veio a Portugal oficializar e certificar a atribuição feita em Junho confessa-se "absolutamente fascinado por todas as peças do presépio".


Esta noite: Cultureando!


       Esta noite, a partir das 19:30, estará no ar o programa Cultureandodo Instituto Português de Cultura (IPC),que se transmite todas as terceiras quintas-feiras de cada mês, a través de Radio Uno 1340 AM.
      Cultureando é transmitido por cortesia de Rádio Arcoense e as ouvintes e os ouvintes podem desfrutar de uma programação realmente única com notícias sobre Literatura, Poesia, Cinema, Arquitetura, Ballet, Música e tudo o que tenha a ver com a Cultura Portuguesa. Além disso, poderão escutar boa música portuguesa, em especial aquela que é practicamente impossível de ouvir noutros programas da Comunidade.

     Rádio Arcoense, sob a condução de Adé Caldeira, é transmitido na frequência indicada anteriormente, mas também via Internet, pelo que Cultureando chega também a Portugal, ao Brasil e a vários outros países onde há emigração portuguesa.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Herberto Helder em Tal Cual...




O suplemento literário da publicação Tal Cual voltou a debruçar-se  sobre a cultura portuguesa. Nesta caso trata-se de um trabalho de Ana Lucia de Bastos (não Ana Maria de Bastos, tal como aparece no jornal), filha de Mário de Bastos, VP do IPC, sobre o poeta madeirense Herberto Helder.

 "Herberto Helder Luís Bernardes de Oliveira nasceu a 23 de Novembro de 1930 no Funchal, ilha da Madeira, no seio de uma família de origem judaica. Em 1946, com 16 anos, viaja para Lisboa para frequentar o 6º e o 7º ano do curso liceal. Em 1948, matricula-se na Faculdade de Direito de Coimbra e, em 1949, muda para a Faculdade de Letras onde frequenta, durante três anos, o curso de Filologia Romântica, não tendo terminado o curso. Três anos mais tarde regressa a Lisboa, começando por trabalhar durante algum tempo na Caixa Geral de Depósitos e depois como angariador de publicidade, sendo que durante este tempo vive, por razões de ordem vária e pessoal, numa «casa de passe».

Em 1954, data da publicação do seu primeiro poema em Coimbra, regressa à Madeira onde trabalha como meteorologista, seguindo depois para a ilha de Porto Santo. Quando em 1955 regressa a Lisboa, frequenta o grupo do Café Gelo, de que fazem parte nomes como Mário Cesariny, Luiz Pacheco, António José Forte, João Vieira e Hélder Macedo. Durante esse período trabalha como propagandista de produtos farmacêuticos e redactor de publicidade, vivendo com rendimentos baixos. Três anos mais tarde, em 1958, publica o seu primeiro livro, O Amor em Visita. Durante os anos que se seguiram vive em França, Holanda e Bélgica, países nos quais exerce profissões pobres e marginais, tais como: operário no arrefecimento de lingotes de ferro numa forja, criado numa cervejaria, cortador de legumes numa casa de sopas, empacotador de aparas de papéis e policopista. Em Antuérpia, viveu na clandestinidade e foi guia dos marinheiros no sub mundo da prostituição..."

http://www.citi.pt/cultura/literatura/poesia/helder/biogra.html

Livro de José Saramago editado no Irão


Teerão - A obra «Ensaio sobre a lucidez», do autor português José Saramago, foi publicada no Irão pela editora Majid, traduzido para pársi a partir da versão em língua inglesa.

De acordo com a Agência de Editores Iraniana (BNA), Alireza Shaheri fez a tradução da obra, cuja versão inglesa foi editada em 2006 e a original em 2004.

O romance é uma sequela da obra «Ensaio sobre a cegueira» e inclui as mesmas personagens. Na história, Saramago dirige severas críticas às instituições do poder político, descrevendo rivalidades internas do Governo.

Em comunicado, a BNA citou apreciações favoráveis de críticos literários internacionais à obra de José Saramago. O autor português foi distinguido com o Prémio Nobel da Literatura em 1998.
Faleceu em 2010, na ilha de Lanzarote, em Espanha.
 
Jornal Digital.

Cinema: ‘A Gaiola’ só não ganha a ‘Avatar’




A nível mundial, já obteve receitas de 12,6 milhões de euros. Em Portugal, é o sétimo mais visto de sempre, superando os 750 mil espectadores.

Desde que estreou, a 1 de agosto, o filme ‘A Gaiola Dourada' soma números impressionantes. A obra do luso-descendente Ruben Alves já obteve quase 3,9 milhões de euros em bilheteira nas salas portuguesas, o que faz deste o segundo filme que mais proveitos gerou em Portugal desde que o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) tem registos. Melhor, só mesmo ‘Avatar', de James Cameron. A obra do criador de ‘Titanic' foi vista por mais de 1,2 milhões de espectadores e faturou mais de 6,9 milhões de euros nas bilheteiras.

Em termos de público, ‘A Gaiola Dourada' levou, até à última quarta-feira, 750 466 pessoas às salas nacionais, o que o torna no filme mais visto do ano em Portugal e o sétimo de sempre nas estatísticas do ICA.

O filme, protagonizado por Rita Blanco e Joaquim de Almeida, poderá mesmo entrar no top 5, destronando ‘Shrek 2', que regista 771 963 espectadores. Além de Portugal, onde está em exibição há mais de 100 dias, a obra que retrata a vida dos emigrantes portugueses em França foi um sucesso precisamente nesse país, onde mais de 1,2 milhões de pessoas o viram (7,8 milhões de euros em bilheteira).

Moeda portuguesa recebe prémio internacional




A moeda alusiva ao evento Guimarães 2012 – Capital Europeia da Cultura, da autoria do artista plástico José de Guimarães e cunhada pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), acaba de ser reconhecida com a Menção Especial do Prémio Internacional Vicenza Numismática 2012.

O júri da 10.ª edição do Prémio decidiu atribuir este prestigiado galardão à moeda cunhada pela INCM, estando a cerimónia de entrega do prémio prevista para Fevereiro de 2014, em Vicenza, Itália.

A face nacional da moeda apresenta os elementos de maior significado e simbolismo da "cidade berço" – D. Afonso Henriques, a sua espada e o castelo – igualmente presentes na embalagem da moeda, também ela da autoria de José Guimarães.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Manoel de Oliveira vai ter Casa do Cinema em Serralves




Serralves vai ter uma Casa do Cinema, projetada por Siza Vieira, em homenagem a Manoel de Oliveira. A iniciativa é do Museu de Serralves, no Porto, que assinou, esta sexta-feira, um protocolo com a família do cineasta para instalar, num espaço reabilitador pelo prestigiado arquiteto, um núcleo com o seu espólio.

A ficar patente na garagem do Conde de Vizela, no extremo nordeste do parque do museu, o novo espaço vai acrescentar novas instalações para albergar uma exposição permanente, um anfiteatro de 50 lugares e ainda várias salas para arquivo e consulta do espólio do realizador portuense que completa este ano o seu 105º aniversário.

O anúncio foi feito pelo presidente do Conselho de Administração (CA) de Serralves, Braga da Cruz, à margem de uma visita de imprensa às exposições de Cildo Meireles e Ahlam Shibli que se inauguram hoje, à noite.

Descoberto fresco inédito no Mosteiro de Alcobaça




No Mosteiro de Alcobaça, foi descoberto um "teto único" na Sala das Conclusões durante as obras de conservação e restauro que ali estão a ser feitas. Apesar de não apresentar assinatura, o mesmo já foi identificado como um fresco do final do século XVII.

A descoberta foi feita naquela que era uma das "principais salas de reunião dos monges e que chegou a ser, também, a Sala dos Reis". Citado pela Lusa, Jorge Pereira de Sampaio, diretor do Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, diz tratar-se de um teto "extremamente bonito, absolutamente extraordinário, como não existia nenhum no mosteiro".

No final das obras, o fresco, até agora "coberto por uma camada de cal", irá ficar "à vista do público". Embora não apresente qualquer assinatura, a pintura já foi "identificada pelo professor Jorge Serrão como sendo da autoria de um artista do final do século XVII".


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Documentário: Primeiro carteiro do Canadá foi português


No Canadá, o documentário histórico que conta a história do "primeiro carteiro oficial do Canadá", o imigrante português Pedro da Silva, vai ser apresentado ao público no próximo dia 25 de Novembro.

Bill Moniz, produtor e realizador do documentário, avançou que o mesmo será exibido em duas versões (inglês e português), numa homenagem ao imigrante português do século XVII, que ali chegou "entre 1672 e 1673". Foi na província canadiana do Quebeque, na "Nova França", que Pedro da Silva se tornou responsável pelas primeiras expedições de correio do país.

A maior parte da pesquisa histórica que serviu de base a "Primeiro Carteiro no Canadá" foi feita pelo investigador lusodescendente Carlos Taveira, que se encontra também a escrever um livro sobre a figura portuguesa. A colaboração de Francine DaSSylva, descendente do carteiro "foi igualmente importante", refere o produtor à Lusa.

Que desassossego!


Esta manhã, quatro atores do Grupo Éter desassossegaram alguns pontos centrais da cidade de Lisboa, especificamente o Rossio, o Chiado/Camões, Santa Catarina e a rua António Maria Cardoso, com leituras de textos de Fernando Pessoa, José Saramago e outros autores portugueses. No Metro, o som ambiente está desde ontem desassossegado por textos literários lidos por Fernando Alves, com música de António Pinho Vargas. É o Dia do Desassossego, que continua na Casa dos Bicos com Rodolfo Castro a contar contos (16h30) e com o lançamento de duas edições novas de obras de Saramago (18h00): a reprodução do primeiro original datilografado de Claraboia e uma nova A Maior Flor do Mundo, agora com ilustrações de André Letria. Às 21h00, também na Casa dos Bicos, será exibido o documentario Ulisses, a partir de uma ideia de Rui Tavares, o qual participa em seguida num debate com o público. Entrada livre para todas as sessões.

sábado, 16 de novembro de 2013

16 de novembro, Dia do Desassossego

O Dia do Desassossego é uma ocasião para sair à rua com um livro na mão e ler em lugares públicos, de tal forma que o desassossego das ideias penetre a vida social ao mesmo tempo que fortalecemos o pensamento para combater o desânimo e a depauperação a que nos submetem. Ler para contemplar o espetáculo do mundo de outra perspetiva, para intervir e reforçar os argumentos de bem comum, próprios de seres humanos que se respeitam e honram a sua condição de cidadãos. O Dia do Desassossego é um dia de militância ativa, cada pessoa com um livro, muitas com muitos livros.

O Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa, O Ano da Morte de Ricardo Reis, de José Saramago, são entre outras, boas propostas de leituras para essa jornada, mas qualquer livro que reflita sobre o nosso tempo ou as nossas profundas incertezas será uma magnífica opção. Trata-se de ler nas praças e ruas de Lisboa, povoando-as da vida que os livros contêm. Também os livros mais amados das nossas bibliotecas beneficiarão do ar da rua e da nova respiração que nós, os leitores, lhes outorguemos.

Enchamos Lisboa e as nossas cidades de livros. Leiamos na rua, em voz alta ou em silêncio.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Salas de cinema perdem 140 mil espectadores




As salas de cinema em Portugal registaram uma quebra superior a 140 mil espectadores e a 650 mil euros de receita, em outubro, em relação ao mesmo mês de 2012, segundo o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA).

De acordo com o instituto, no passado mês de outubro foram vendidos 739 183 bilhetes (menos 143 908 do que em 2012), que resultaram em 3,8 milhões de euros de receita (menos 658 mil euros do que em 2012).

De janeiro a outubro, as estatísticas revelam quebras sucessivas nos hábitos de cinema dos portugueses no circuito comercial, comparado com 2012. Apenas o mês de junho contrariou essa tendência.

No total, nos dez meses de 2013, registaram-se dez milhões de idas ao cinema e 52,4 milhões de euros.

No mesmo período de 2012, as salas de cinema tinham registado 11,1 milhões de espectadores e 60 milhões de euros de receita de bilheteira.

A liderar a tabela dos filmes mais vistos, entre janeiro e outubro deste ano, permanece a produção francesa ‘A Gaiola Dourada’, do luso-francês Ruben Alves, sobre uma geração de emigrantes portugueses em Paris, com um total de 743 335 espectadores.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Teatro: Mísia torna-se uma sem-abrigo




Fadista estreia-se como atriz em peça sobre um mundo onde a cultura está a morrer.

Mísia entra em palco com um saco de viagem com rodas. Diz que se chama Luz e que trabalha nos Correios, mas no final da peça ficaremos a saber que não tem onde viver e que escolheu um velho teatro abandonado para passar as suas noites de sem-abrigo.

É assim ‘O Matadouro Invisível', peça que a criadora francesa Karin Serres (n. 1967) escreveu a pedido de José Martins, e que o encenador transformou num espetáculo sobre o mundo em que vivemos. Um mundo onde os teatros fecham para dar lugar a centros comerciais ou parques de estacionamento.
Correio da Manhã.

Saídas de José Pedro Ribeiro e Maria João Seixas “são mais um sinal de morte do cinema”


Depois dos constantes avisos, José Pedro Ribeiro demitiu-se do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA). E, no mesmo dia, Maria João Seixas, directora da Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema, em Lisboa, revelou que também vai abandonar o cargo. Se o sector do cinema já estava tremido, com estas saídas perde a confiança na tutela e teme uma “situação de catástrofe”. Explicações são exigidas e a demissão do secretário de Estado é pedida.

José Pedro Ribeiro demitiu-se e Maria João Seixas não se candidatou ao concurso público que abriu no final do mês de Outubro para a direcção da Cinemateca. Nenhum dos dois responsáveis explicou os motivos das suas decisões (José Pedro Ribeiro esteve incontactável e Maria João Seixas limitou-se a confirmar a sua saída) mas, apesar de abandonarem os cargos de forma diferente, as suas saídas dão um sinal negativo ao sector, que se mostra cada vez mais preocupado com o estado do cinema em Portugal.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Saramago exposto no Metro de São Paulo




O metropolitano de São Paulo está a exibir uma exposição sobre José Saramago organizada pelo Festival Sete Sóis Sete Luas, a celebrar os seus 20 anos de existência. A mostra, intitulada ‘Baltasar Sete Sóis e Blimunda Sete Luas’ pode ser apreciada pelos utentes da estação de Corinthians-Itaquera, até dia 30 de novembro.

Luas, que tem como objetivo levar a cultura a cidades da periferia, é um evento que promove o intercâmbio entre os países que partilham a chamada cultura do Mediterrâneo.

Na sua fundação, decidiu homenagear José Saramago e as personagens que criou no livro 'Memorial do Convento', conhecidas como Baltasar Sete Sóis e Blimundo Sete Luas.

Artista lusa apresenta instalação sobre a crise nos EUA

Até à próxima segunda-feira, a artista Beatriz Albuquerque, considerada uma das jovens artistas mais importantes do mundo, vai apresentar a instalação 'Crise na Sorte', da sua autoria, na Galeria Macy, em Nova Iorque.

Depois de vencer o Prémio Revelação da 17ª Bienal de Cerveira, a portuguesa leva a inovadora instalação sobre a crise até ao outro lado do Atlântico, onde mostra o vídeo da performance que fez em Agosto, em Vila Nova de Cerveira, em que, na interação com o público, oferece um bolo da sorte como a solução para os seus problemas.

"Convidei o público a colocar as mãos num bolo e dizer quais os seus problemas. A seguir eu dava uma resposta aos seus problemas ou crises", conta Beatriz Albuquerque à Lusa. "Fazia isto através de uma fortuna escrita e de um bolo confecionado na altura, com a forma necessária para eles deglutirem a resolução do problema enquanto liam a fortuna por mim."


sábado, 9 de novembro de 2013

João Nicolau vence Grande Prémio da Curta-Metragem em Montpellier




O filme ‘Gambozinos’, de João Nicolau, conquistou o Grande Prémio da Curta-Metragem no Festival International du Cinéma Méditerranéen de Montpellier, que abriu a 25 de outubro e encerrou sábado.

De acordo com o site online do festival, o realizador português vai receber quatro mil euros pela curta-metragem estreada este ano, resultado de uma coprodução Portugal/França.

O júri atribuiu também uma menção especial ao filme ‘Skok’, de Petar Valchanov e Kristina Grozeva (Bulgária, 2012).

O filme de João Nicolau recebeu em maio o prémio de melhor curta-metragem na Quinzena dos Realizadores, em Cannes, e estreou-se em Portugal em outubro, em sala de cinema, com outras três curtas-metragens portuguesas: ‘Rei Inútil’, de Telmo Churro; ‘Entrecampos’, de João Rosas; e ‘Na Escola’, de Jorge Cramez, todos retratos de infância e adolescência.

Realizadora portuguesa leva "curta" a Hollywood




A curta-metragem “O Cheiro das Velas” da realizadora portuguesa Adriana Martins da Silva vai estar em competição no Festival Internacional de Estudantes de Cinema de Hollywood, nos Estados Unidos. A 11.ª edição do festival americano arranca este fim-de-semana.

O filme em causa é o resultado do projeto final de curso da jovem realizadora na Escola Restart, em Lisboa. Rodado na capital, no ano passado, "O Cheiro das Velas" estreou no Short Film Corner, do Festival de Cannes, em França.

Protagonizado pelas atrizes portuguesas Oceana Basílio e Joana Brandão, o filme é "motivo de orgulho e uma porta de entrada na grande indústria dos Estados Unidos", considera Adriana Martins da Silva, citada pela Lusa.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Mia Couto distinguido com prémio de literatura



O escritor moçambicano Mia Couto foi distinguido com o prémio internacional de literatura Neustadt, atribuído de dois em dois anos pela Universidade de Oklahoma, no valor de 50.000 dólares, disse hoje à Lusa fonte da sua editora.

O galardão é entregue desde 1970 e já distinguiu, entre outros, o brasileiro João Cabral de Melo Neto, Álvaro Mutis, Octávio Paz e Giuseppe Ungaretti.

Mia Couto é o pseudónimo de António Emílio Leite Couto, de 58 anos, autor que já recebeu os prémios Camões, Eduardo Lourenço e o da União Latina de Literaturas Românicas.

Além do cheque, o autor vai receber uma reprodução em prata de uma pena de águia.

"A Confissão da Leoa", editado o ano passado é o seu mais recente livro.

Cinema português na Polónia





Entre Novembro e Janeiro de 2014, a iniciativa Kino.Pt vai estar na Polónia a mostrar o cinema português dos últimos cinco anos. No total são doze filmes, entre longas e curtas-metragens, cinema de ficção, animação e documental.

Segundo a associação Zero em Comportamento, uma das responsáveis pela organização, a Kino.Pt é "uma oportunidade única para conhecer o melhor do novo cinema português".

A seleção inclui os 'Viagem a Portugal', de Sérgio Tréfaut, 'Filme do Desassossego', de João Botelho, e 'Tabu' de Miguel Gomes, assim como as curtas-metragens 'O cágado', de Luís da Matta Almeida e Pedro Lino, e 'Kali, o pequeno vampiro', de Regina Pessoa.


Animação: Curta de português vence prémio internacional




O projeto liderado pelo português Pedro Miguel Resende foi o grande vencedor do Animation Talent Award 2013, um concurso internacional promovido pela Academia de Halle, na Alemanha.

Em conjunto com os animadores espanhóis Helene Vizcaino e Carlos Quesadas, o realizador luso conquistou o prémio de 10.000 euros para concretizar a curta-metragem 'Imaginarium'. O projeto foi eleito de entre um conjunto de dez a concurso, oriundos de vários países, que estiveram a votos na plataforma alemã de 'crowdfunding' StartNext.

"Graças às redes sociais, 'Imaginarium'  

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Pessoa: Eu Sou Uma Antologia...


Em «Eu Sou Uma Antologia», Jerónimo Pizarro e Patrício Ferrari redescobrem as múltiplas individualidades de Fernando Pessoa.
Cada um dos 136 autores fictícios é apresentado por uma breve introdução, seguida das suas assinaturas fac-similadas e de um ou mais dos seus textos - de entre os quais se destacam 77 inéditos.

«A investigação que tornou possível este livro foi simultaneamente complexa e fascinante. Complexa, porque percorremos as 30 mil folhas do espólio pessoano, à procura do que poderíamos denominar vestígios ficcionais, isto é, nomes inventados ou nomes reais ficcionados. Fascinante, porque no caso de muitas figuras não tínhamos uma visão de conjunto – são bem conhecidas as obras de António Mora e de Jean Seul de Méluret, por exemplo, mas não as do Dr. Pancracio ou as de Charles Robert Anon. Isto levou-nos a reler textos editados e a ler textos inéditos, a atingir uma percepção mais nítida de figuras acerca das quais tínhamos ideias muito vagas, e a compreender melhor o desenvolvimento e a dinâmica do heteronimismo pessoano.»

Conheça aqui a Colecção Pessoa dirigida por Jerónimo Pizarro, especialista pessoano, que esteve em Caracas, a convite do IPC.

Amazon: Autora portuguesa entre os 100 mais vendidos





Filipa Fonseca é a primeira autora portuguesa de sempre a entrar para o top 100 de livros vendidos na Amazon, na categoria de Woman's Fiction. Com a edição digital de 'Os Trinta - Nada é como Sonhámos', Filipa Fonseca conseguiu, esta terça-feira, integrar a lista onde figuram nomes como James Patterson, Danielle Steel e E.L.James.

O feito fez com que a versão inglesa desta que é a segunda obra da autora - 'Thirty Something - Nothing's How We Dreamed It Would Be' - fosse ocupar a 630ª posição na tabela de vendas gerais, entre os mais de um milhão de títulos disponíveis.

"Isto pode não parecer muito, mas se pensarmos que os melhores livros de autores rentáveis como Saramago ou José Rodrigues dos Santos estão em posições como 207 mil ou 334 mil respetivamente, a coisa ganha toda uma outra dimensão", escreve a autora no blogue 'Crónicas duma fashion victim'.


Até amanhã, camaradas: antestreia iluminou Parlamento




Filme de Joaquim Leitão estreia-se esta quinta-feira nas salas de cinema, depois da antestreia no salão nobre do Parlamento.

Sala cheia na antestreia do filme Até amanhã, camaradas no salão nobre da Assembleia da República. O filme, protagonizado por 140 actores e milhares de figurantes, é baseado no romance com o mesmo título da autoria de Manuel Tiago, pseudónimo que Álvaro Cunhal assumiu publicamente em 1994.

Realizada por Joaquim Leitão e produzida por Tino Navarro, a adaptação do manuscrito do romance que Álvaro Cunhal já trazia no bolso quando em 1960 fugiu de Peniche foi introduzida pelo deputado António Filipe.

“Se hoje chamamos à Assembleia da República a Casa da Democracia, devemo-lo às pessoas que deram a sua vida por ela”, declarou. “Não sei se lhe poderíamos chamar Casa da Democracia, se não houvesse pessoas dispostas a dar a sua própria vida pela democracia”, reforçou António Filipe, não sem antes prestar uma homenagem ao histórico comunista cujo centenário do nascimento se comemora no próximo domingo.

 
Público.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Portugal na cauda da Europa no que diz respeito à participação cultural




Portugueses entre os que participam menos nas actividades culturais, a par de países como a Grécia, a Roménia e a Bulgária.

Os portugueses são dos cidadãos da União Europeia com menores taxas de participação em actividades culturais e Portugal é o país onde há maior falta de interesse pela leitura, de acordo com o inquérito Eurobarómetro esta segunda-feira divulgado.

De uma forma geral, os dados deste inquérito, o primeiro sobre o assunto desde 2007, mostram que o que se passa em Portugal acontece em traços gerais na Europa. Ou seja, a tendência mostra que os europeus se interessam cada vez menos pela cultura, verificando-se uma diminuição na participação em actividades culturais. Existem, no entanto, algumas diferenças significativas, como é o caso da Suécia (43%), da Dinamarca (36%) e dos Países Baixos (34%), onde os cidadãos descrevem a sua taxa de participação como elevada ou muito elevada.

Portugal é, com o Chipre, um dos países do fim da tabela, com apenas 6% da população (menos seis pontos percentuais que em 2007) a registar uma participação elevada ou muito elevada, apenas ultrapassados pela Grécia, onde 5% dos cidadãos diz ter uma actividade cultural frequente.


Joana Vasconcelos inaugura 'Lusitana'



Artista plástica inaugura peça inspirada na mulher portuguesa.

As obras de Joana Vasconcelos continuam a espalhar-se pelo mundo. Inspirada na mulher portuguesa, a artista inaugurou esta quarta-feira, em Telavive, uma nova peça de grandes dimensões no Museu de Arte de Telavive, intitulada 'Lusitana'.

Em declarações à agência Lusa, o ateliê da artista afirma que a intervenção ficará em Telavive até 24 de Abril de 2014. A obra foi criada especificamente para um local no interior do museu intitulado 'Lightfall', com 30 metros de altura.

A obra 'Lusitana' é uma obra de grandes dimensões da série 'Valquírias', e vai ficar suspensa naquele espaço do museu, mas com uma configuração tentacular, que projeta vários 'braços', a partir de um corpo central, para os diferentes níveis do edifício.

 
Correio da Manhã.

“Este prémio não é meu, este prémio é de Angola”




Prémio José Saramago atribuído ao escritor angolano Ondjaki pela obra Os Transparentes. O leitor confronta-se com uma crioulização radical da língua portuguesa, diz o júri.


À oitava edição, o Prémio Literário José Saramago foi para Ondjaki, escritor e poeta que nasceu em Luanda em 1977, autor do romance Os Transparentes, publicado pela Caminho em 2012 e que é um retrato de Angola.

O prémio foi esta terça-feira anunciado na sede da Fundação José Saramago, na Casa dos Bicos, em Lisboa. Numa cerimónia em que a poeta angolana Ana Paula Tavares, e um dos membros do júri, fez o elogio do autor e da obra distinguida por unanimidade.

"Este prémio não é meu, este prémio é de Angola." Foi assim que Ondjaki agradeceu o prémio, no valor de 25 mil euros. "Eu não ando sozinho, faço-me acompanhar dos materiais que me passaram os mais velhos. Na palavra 'cantil' guardo a utopia, para que durante a vida eu possa não morrer de sede."

Público.

A Viagem do Elefante - DC Books, Índia






A editora do estado de Kerala (Índia), DC Books, apresentou, no passado mês de Outubro, a tradução para malaio de A Viagem do Elefante na "18th DC International Book Fair and Cultural Fest", na cidade de Thiruvananthapuram.

A tradução esteve a cargo de Geethanjali e estão previstas as traduções de A Jangada de Pedra e As Pequenas Memórias.

Informação tomada do blogue da Fundação José Saramago.

sábado, 2 de novembro de 2013

Curta de Ricardo Martins selecionada para o Festival de Leeds




A curta-metragem ‘O que eu Entendo por Amor’, realizada por Ricardo Martins, foi selecionada para o Festival de Cinema de Leeds, no Reino Unido, para integrar a competição internacional.

Protagonizado por Celeste Ribeiro e Carlos Nery, o filme, de 14 minutos, conta a história de Julieta, uma idosa que acorda com o corpo do marido morto ao lado na cama, o que desencadeia um fio de recordações.

A curta representa a estreia na ficção da Torriense Slingshot, uma agência de comunicação e multimédia baseada em Torres Vedras.

Na mesma competição de curtas-metragens internacionais, chamada Louis Le Prince, está outro filme assinado por um português, João Nicolau, intitulada ‘Gambozinos’, uma coprodução entre Portugal e França sobre as desventuras de um menino de dez anos numa colónia de férias.

Joana Vasconcelos apresenta mulher 'lusitana' em Israel




No próximo dia 4 de Novembro, a artista plástica Joana Vasconcelos vai inaugurar uma peça de grandes dimensões intitulada 'Lusitana', inspirada na mulher portuguesa, no Museu de Arte de Telavivve, em Israel.

A nova criação da portuguesa foi desenhada especificamente para um espaço no interior deste museu, intitulado 'Lightfall', que tem 30 metros de altura. Por isso mesmo, 'Lusitana' é uma obra de grandes dimensões, integrada na série 'Valquírias', que vai ficar suspensa naquele espaço do museu.

Fonte do atelier da artista contou à Lusa que a sua configuração tentacular projeta vários 'braços' a partir de um corpo central para os diferentes níveis do edifício. A peça foi produzida com recurso a têxteis industriais variados, de diferentes origens e combinados com técnicas artesanais, com destaque para o croché e os feltros de Nisa, vila portuguesa do Alto Alentejo.